Por bferreira

Rio - O presidente do PMDB-RJ, Jorge Picciani assume o papel de black bloc e dispara pedras contra o PT, que manteve a pré-candidatura de Lindbergh Farias ao governo do estado. Os peemedebistas queriam uma aliança com Pezão; em troca, apoiariam Dilma Rousseff.

“Não quero que recuem. Adorei esta decisão, que acaba com uma parceria construída com tanto esforço. Estamos livres”, diz. Picciani afirma que o PMDB-RJ poderá fazer acordo com Aécio Neves (PSDB) ou Eduardo Campos (PSB). Pode até ficar sem candidato à Presidência.

Miro na mira

Picciani não descarta um acordo com o deputado federal Miro Teixeira, pré-candidato ao governo pelo Pros e que tende a apoiar Eduardo Campos. “Ele (Miro) pode ocupar uma outra posição em nossa chapa”, especula.

Cenário favorável

Para ele, o provável apoio de Dilma a três candidatos (Lindbergh, Garotinho e Crivella) tende a dividir os votos dos adversários de Pezão. Diz ainda que eventual candidatura de Milton Temer (Psol) vai tirar eleitores do PT.

Você pode gostar