Por bferreira

Rio - Mesmo se recuperando de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) isquêmico, José Fernandes de Oliveira, o Padre Zezinho, 72 anos, escritor, compositor e pioneiro da música católica no Brasil, continua sendo uma ‘máquina’ de produzir canções e livros. É inspiração para colegas de batina famosos, como Marcelo Rossi, Fábio de Melo, Omar Raposo e Reginaldo Manzotti. Autor de mais de 300 obras, entre 20 vídeos, 120 CD’s com pelo menos 1,6 mil músicas e 60 livros, Zezinho está com cinco publicações e um novo CD prontos para serem lançados, e surpreende até os amigos mais chegados.

Religioso ficará ‘seis meses de molho’%3A “Deus tem me dado forças”%2C dizDivulgação

“Fui procurar, em pendrives dele, uma foto para um livro que escrevemos juntos e quase não acreditei no que encontrei: cerca de 300 livros inacabados. São inspirações divinas fantásticas, que ele pretende concluir”, escreveu o sacerdote João Carlos Almeida, o Padre Joãozinho, parceiro de Zezinho, em seu blog. Do convento onde se recupera, em Taubaté (SP), Zezinho grava mensagens em várias línguas para mais de 100 rádios e emissoras de TV.

Contrariando ordens médicas, Padre Zezinho, com a voz às vezes falha, deu entrevista exclusiva ao DIA. Ele disse sentir falta dos shows, mas garantiu que está melhor. “Deus me dá forças. Não posso reclamar”, brincou o ‘papa’ da música popular católica. Bem-humorado, o religioso disse que vai “ficar de molho”, por seis meses. “Minha sorte foi que as sequelas não comprometeram a voz”, agradece.

Omar Raposo, reitor do Santuário do Cristo Redentor do Corcovado, que recentemente lançou o CD Peço a Deus, disse que Padre Zezinho sempre foi a principal referência dos padres cantores. “Zezinho é o nosso grande poeta”, elogia o religioso.

Você pode gostar