Polícia Civil busca testemunhas de chacina em Realengo

Dez familiares das vítimas já foram ouvidos pela Divisão de Homicídios. Cinco homens e duas mulheres foram assassinados na noite desta quinta

Por O Dia

Rio - Equipes da Divisão de Homicídios (DH) realizam, nesta sexta-feira, buscas na região de Realengo para tentar localizar possíveis testemunhas que ajudem a identificar os autores da chacina que deixou sete mortos na noite desta quinta. Cinco homens e duas mulheres foram mortos a tiros de fuzil e de pistola em uma casa na Rua Nuretama. Agentes da já realizaram perícia no local. Dez familiares das vítimas já foram ouvidos pela polícia.

De acordo com familiares, o casal Toni Anderson Damásio Alves, 37, e Renata Souza da Silva, 30, donos do imóvel e vítimas, eram usuários de drogas. De acordo com moradores e a polícia, a residência era ponto de consumo de entorpecentes.

Corpos são retirados da casa por homens da Defesa CivilOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Segundo o tio de Toni, Iderval Antonio Gonçalves, de 70 anos, a vítima se tratou, mas acabou voltando ao vício.

"Ele tinha envolvimento com drogas. Mas não era uma pessoa violenta, agressiva. Chegou a sair dessa por um tempo, mas retornou. Fez inclusive um tratamento de cunho religioso, mas retornou. Sabia que o destino dele seria trágico, quem está envolvido com essas coisas (drogas) perde a referência. Foi uma vítima do tempo, do espaço, da ausência de amor", disse Iderval, resignado.

Ele revelou ainda que Toni perdeu o irmão recentemente. Ainda de acordo com Iderval, o envolvimento de Toni e de Renata com as drogas fez a família conseguir na Justiça a guarda dos dois filhos menores do casal. Eles são criados pelos avós paternos e não estavam na casa no momento dos crimes.

Moto foi apreendida pela políciaOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Segundo moradores, os crimes foram cometidos por volta das 22h30. De acordo com o delegado Pablo Rodrigues, da Divisão de Homicídios (DH), homens encapuzados chegaram ao local em veículos não identificados. Eles usaram a van de lotada placa KOB-4680 (Cancela Preta-Campo Grande), que estava estacionada, para escalar o muro e invadir a casa de número 499.

Ainda de acordo com o delegado, os cinco homens e duas mulheres foram colocados na varanda do imóvel e mortos. Todos seriam usuários de drogas. A perícia constatou que as armas usadas na chacina foram um fuzil calibre 556 e uma pistola calibre 9mm. Os assassinos fugiram pelo portão. Dentro da casa foi encontrada uma pequena quantidade de maconha, além de cachimbos e papel de seda, usados para o consumo de crack e da erva. Uma moto sem placa também foi apreendida.

Parente se emociona em frente ao local do crimeOsvaldo Praddo / Agência O Dia

"O maior indício é de local de uso de drogas. Até as próximas 48 horas não descartamos qualquer hipótese para o crime", disse o delegado. Testemunhas prestaram depoimento durante a madrugada na DH, na Barra da Tijuca.

A polícia vai levantar a vida pregressa das vítimas e saber quem frequentava o imóvel. Sem se identificar, vários moradores disseram que diariamente havia confusão na casa, muito barulho durante a madrugada e consumo de drogas.

Os outros mortos foram identificados como: Leandro Marques Pereira, de 24 anos, Alex Prudêncio de Amorim, 28, Amanda Silva Guimarães, 27, e o irmão dela, Clayton Guimarães, além de Luan Santos da Costa.

O dono da van também será chamado a depor. Sem se identificar, ele disse que chegou a alugar uma vaga na garagem da casa de Toni por R$ 80. Ele contou, porém, que desistiu devido ao "clima pesado" com a frequência de usuários de crack, e passou deixar o veículo junto ao muro. O motorista afirmou que estacionou por volta das 21h35. Cerca de uma hora depois ouviu tiros.

Chacina em colégio comoveu o país

Em abril de 2011, Realengo foi cenário de outra chacina que chocou o país e o mundo. Wellington de Oliveira, de 23 anos, ex-aluno, com distúrbios mentais, invadiu a Escola Municipal Tasso da Silveira e matou a tiros 12 crianças e feriu outras 12. As vítimas tinham entre 12 e 14 anos. O assassino estava com dois revólveres e entrou em duas salas do oitavo ano do ensino fundamental. Logo em seguida, cometeu suicídio.

Últimas de Rio De Janeiro