Por thiago.antunes

Rio - A Secretaria de Estado de Proteção e Defesa do Consumidor (Seprocon), por meio do Procon, identificou nesta sexta-feira, uma empresa de carros-pipa que não está usando água da Cedae para abastecer seus caminhões. A Poderosa Transporte de Água retira a água que vende de um poço artesiano localizado no interior de sua sede, em Jacarepaguá.

A empresa entrou com um pedido no Inea para regularizar seu uso, a partir de uma análise realizada por um laboratório particular que aprovou seu uso para consumo, mas a empresa já vende a água para os consumidores sem ter obtido a resposta do Instituto. Representantes da empresa foram convocados a ir a sede do Procon para prestar esclarecimentos.

Caminhão-pipa de empresa que vendia água de poço-cartesianoDivulgação

Nove empresas autuadas

A fiscalização autuou mais uma empresa de carros-pipa por cobrança abusiva de preço: a RCE Transporte de Água Potável, sediada em São Gonçalo. Com isso, sobe para nove o número de empresas autuadas pelo órgão. A RCE foi descoberta a partir de uma nota fiscal emitida por ela a prestar serviço para um condomínio em Botafogo durante o período de falta d'água em decorrência de manutenção da Estação de Tratamento do Guandu.

O condomínio adquiriu com a empresa 10 mil litros de água no valor de R$ 1.200, quando a média de preços praticado pelo mercado antes do desabastecimento girava em torno de R$ 500/ R$ 600. No mesmo período o condomínio comprou um caminhão pipa de outra empresa por um valor ainda maior - R$ 1400 - mas a nota fiscal não apresentava dados que identificassem a empresa.

As outras sete empresas autuadas são Água Salim Transporte, Águas Boas, Celular Pipa D'água, Jeferson e Celso Transporte de Água Potável, Malta Transporte de Água, Águas Siqueira, Grupo Tavares e Dudu Água

Você pode gostar