Invasão do Fórum de Bangu leva juíza a pedir afastamento

Ela se escondeu debaixo da mesa na hora dos tiros. Presidente do TJ diz que ataque foi um problema de segurança pública

Por O Dia

Rio - Ainda muito abalada pela invasão ao Fórum de Bangu por criminosos com fuzis, quinta-feira, a juíza da 2ª Vara Criminal de Bangu, Luciana Moco, pediu afastamento do cargo. A magistrada estava em audiência quando houve o tiroteio entre criminosos e PMs que faziam a segurança do lugar. Apavorada, escondeu-se debaixo da mesa.

Na ação, um policial e uma criança de oito anos foram mortos. O pedido foi feito nesta segunda-feira à presidente do Tribunal de Justiça, Leila Mariano, que classificou a ação dos bandidos como um problema de segurança pública, e não institucional.

Carro da polícia reforça a segurança do Fórum de Bangu%2C onde tiroteio provocou duas mortesCarlos Moraes / Agência O Dia

A desembargadora questionou ainda os serviços de inteligência e de repressão do estado, que não detectaram o plano de invasão e nem impediram que 15 criminosos saíssem de Belford Roxo, na Baixada, fortemente armados, e fossem até Bangu. O plano, além de resgatar traficantes, incluía matar o juiz da 1ª Vara Criminal de Bangu, Alexandre Abrahão, como O DIA noticiou sábado.

Juíza Luciana%3A pedido feito ao TJ Carlos Moraes / Agência O Dia

Apesar das declarações, Leila disse que não queria apontar culpados. “Que fique claro que este atentado não é uma questão de segurança institucional. É, sim, uma questão de segurança pública. Onde estavam os órgãos de inteligência? Onde estavam os órgãos de repressão? Não queremos apontar culpados, o momento não é para isto, mas para uma união para a solução.”

A desembargadora defendeu a criação de um protocolo de ações para tentar minimizar os riscos das saídas de detentos para os fóruns. Para discutir as medidas a serem tomadas, Leila se encontra hoje com o governador Sergio Cabral, o secretário de Administração Penitenciária, Cesar Rubens Monteiro de Carvalho, o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, e representantes do Ministério Público e da OAB. 

“Vamos ter até que treinar os servidores e limitar o número de presos (em audiências)”, sugere Leila. Segundo ela, cerca de 500 audiências são realizadas por mês no estado.

Detector de metais e mais policiais na segurança

Ontem, primeiro dia útil de trabalho no fórum após tragédia, houve reforço da segurança no local. Policiais faziam rondas e ocupavam o local. Um detector de metais funcionava na entrada. Funcionários e cidadãos que entravam na casa recebiam flores, o que agradou à advogada Manoela Martins Santos: “É bom que recomecemos os trabalhos com boas energias”, disse.

A presença de presos nos fóruns não é questão só de segurança. Para a desembargadora Leila Mariano, presidente do TJ, a falta de estrutura da Seap tem provocado atrasos nas audiências devido à falta de transportes para detentos.

Manoela (D) aprovou as floresCarlos Moraes / Agência O Dia

“Tivemos reunião com o secretário (Cesar Rubem Monteiro de Carvalho) em fevereiro, que prometeu para julho veículos especiais”. Amanhã ela se reúne com o Judiciário para falar sobre audiências por videoconferência. “Muitas vezes os juízes não sabem da periculosidade do preso” A Seap alegou problemas na licitação dos veículos e informou que até sexta-feira chegará uma das 48 vans compradas e que cinco micro-ônibus serão entregues dia 20.

Acesso fácil aos andares

Embora tenha tido o policiamento no entorno reforçado, ainda era fácil acessar todos os andares do Fórum de Bangu na manhã desta segunda-feira. A reportagem do DIA encontrou caminho aberto a todos os andares do local, sem se identificar ou ser incomodada. Depois de 15 minutos circulando e registrando imagens dos corredores da casa com telefone celular, seguranças e policiais militares intervieram, pedindo para que as imagens feitas fossem apagadas.

Em nota, o TJ informa que todos que entram no fórum passam por procedimento padrão da Diretoria Geral de Segurança Institucional, que inclui passagem por detectores de metais e, se necessário, até revista.

Últimas de Rio De Janeiro