'Estou tomando minhas medidas na Justiça', diz secretário agredido em operação

Alex Costa dava entrevista quando foi atingido com um soco por um homem identificado como Eduardo Fauzi

Por O Dia

Rio - O secretário municipal de Ordem Pública, Alex Costa, disse nesta quarta-feira que vai recorrer à Justiça após ser agredido durante a desapropriação de um terreno que funcionava como um estacionamento irregular na Zona Portuária. Ele registrou ocorrência na delegacia e passou por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML).

"A instituição é que foi agredida. Eu fisicamente fui agredido e estou tomando as minhas medidas pessoais na Justiça”, disse Alex Costa ao Bom Dia Rio.

Alex Costa dava entrevista sobre a operação no local quando foi atingido com um soco por um homem identificado como Eduardo Fauzi, que diz ter posse do terreno. Segundo a Secretaria de Ordem Pública, o local foi cedido pela Companhia Docas à Prefeitura do Rio e era usado indevidamente como estacionamento rotativo.

Homem é contido por agentes da Guarda Municipal após agredir secretário de Ordem PúblicaAlessandro Costa / Agência O Dia

"O fato é que a Prefeitura, a Secretaria de Ordem Pública foi agredida literalmente. Isso a gente não vai admitir, a gente tem que ser firme, isso já passou, a gente precisa virar a página. A Prefeitura não pode admitir esse tipo de prática, nem eu e nem qualquer outro secretário. A gente tem que atuar, olhar pra frente. As ações hoje continuam”, afirmou.

Agentes da Seop dizem ter sido ameaçados quando chegaram no local, mais cedo, e pediram o reforço de policiais do 5º BPM (Praça da Harmonia). Vários homens, que se identificaram como supostos policiais militares, fizeram as ameaças. A Corregedoria da Polícia Militar não chegou a ser acionada.

O agressor foi detido por agentes da Guarda Municipal e levado para a 4ª DP (Praça da República), onde deve responder por lesão corporal leve. Ele se defendeu das irregularidades. "A Prefeitura quer o terreno para interesses econômicos. Já tenho a posse dele há 20 anos". Os ocupantes da área negam a ilegalidade e dizem ter alvará que permite o trabalho no local. Fauzi disse ter recebido na última semana uma proposta de R$ 50 mil para desistir da posse do terreno.

Após realização de perícia no estacionamento foi constatado furto de energia elétrica e água. O responsável pelo local foi encaminhado para a DDSD onde será preso em flagrante. Todos os carros que estavam no estacionamento foram rebocados. Antes da agressão, o secretário Alex Costa falou sobre a situação dos ocupantes do local.

"Além da atividade econômica irregular, constatamos que quem operava no local eram guardadores da Associação de Guardadores da Rua São Miguel, que já haviam sido retirados por trabalhar irregularmente em outros estacionamentos da cidade", revelou.

Últimas de Rio De Janeiro