Por karilayn.areias

Rio - A Secretaria de Ordem Pública interditou mais dois estacionamentos clandestinos no Centro do Rio, na manhã desta quinta-feira. Com apoio de Guardas Municipais, a Seop fechou dois estabelecimentos que funcionavam sem alvará de atividade econômica.

Os estacionamentos ficam na Rua Senador Pompeu, n° 140, e na Rua Conselheiro Saraiva, números 29, 31 e 33. Na operação foi constatado que o segundo imóvel foi unido pelo responsável através de uma obra irregular, e além de não possuir licenciamento, apresenta risco de desabamento. A Delegacia de Defesa de Serviços Delegados descobriu furto de energia nos imóveis e vai acionar a Light. A Cedae também será enviada ao local para verificar a denúncia de ligações clandestinas de água.

Este ano a Seop já interditou 23 estacionamentos clandestinos em toda a cidade. Foram 10 estabelecimentos na área portuária e Centro e 13 no entorno da Cidade do Rock, durante o Rock in Rio. A operação, que tem objetivo de impedir que áreas públicas ou particulares sejam utilizadas clandestinamente, tem acontecido com regularidade.  

Estacionamento é fechado em operação da Secretaria de Ordem Pública nesta quinta Divulgação/Seop

Na tarde da última terça, também foi realizado o fechamento de um terreno que funcionava sem alvará, no qual o secretário de Ordem Pública, Alex Costa, foi agredido por Eduardo Fauzi. O homem que agrediu o secretário foi preso em flagrante por lesão corporal, conduzido à 4ª DP (Praça da República) e liberado após pagamento de fiança.

Após o incidente, eles se reencontraram manhã de quarta-feira em outra operação, desta vez realizada na Rua Sacadura Cabral, na Zona Portuária. Eduardo declarou não se arrepender da agressão e contou que estava no local para representar mais de 200 profissionais guardadores de carros e microempresários do ramo. 

"Agressão muito maior é tirar o sustento de um cidadão. Um tapa no rosto desse sujeito foi pouco. Esse animal quer entregar o Centro para as grandes corporações. Ele só se aproxima de mim com vários homens em volta", afirmou Fauzi, que está à frente da Associação de Guardadores de Carros da Rua São Miguel. 

De acordo com o delegado Alcides Pereira foram "apuradas condutas criminosas na exploração de estacionamento em área pública". Fauzi já coleciona antecedentes criminais por crime contra a ordem econômica, lesão corporal, formação de quadrilha, desobediência, calúnia e difamação, sendo investigado desde de agosto 2011 por formação de quadrilha em inquérito da 5ª DP (Gomes Freire). A origem da investigação foi a denúncia do então subprefeito do Centro, Thiago Barcellos, que incluiu o envolvimento de uma milícia, formada por policiais civis e militares no negócio. 












Você pode gostar