Por adriano.araujo

Rio - Uma unidade prisional de triagem será instalada no Município do Rio até o fim de 2014. O espaço terá capacidade para receber 250 detentos. O Centro de Observação Criminológica (COC) funcionará no Complexo de Gericinó, na Zona Oeste da cidade. O projeto é orçado em R$ 15 milhões. O estado ganhará ainda mais quatro presídios, que, juntos, somarão 2.250 vagas para presos.

Ao entrar em funcionamento, o centro vai examinar o estado físico, mental e de periculosidade dos detentos. O objetivo da unidade é modernizar o sistema penitenciário do estado, permitindo que sejam feitas avaliações técnicas e entrevistas nas áreas de Direito, de Psicologia e de Saúde. Além disso, está prevista a construção de uma unidade para detentos de 18 a 25 anos.

Presídios privados como o de Ribeirão das Neves são opções fora do RioFernando Souza / Agência O Dia

As informações foram confirmadas pelo secretário estadual de Administração Penitenciária, Cesar Rubens Monteiro. Segundo ele, o Rio terá ais quatro cadeias públicas com 2.250 vagas. Elas serão construídas pelo governo para reduzir o déficit de vagas no sistema prisional. As unidades ficarão nas regiões Centro-Sul, Serrana, Costa Verde e Baixadas Litorâneas do estado. A previsão é que fiquem prontas até o fim do ano que vem.

“Com as novas unidades, teremos o Centro de Observação Criminológica que será a porta de entrada do sistema penitenciário fluminense, onde será examinado o estado físico, mental e de periculosidade do preso, a fim de que seja acautelado na unidade que mais se adapte ao perfil”, explicou o secretário.

Reforma de sete unidades

Segundo Monteiro, o governo estadual já investiu mais de R$120 milhões e está reformando sete unidades. A iniciativa ampliou em mais de 3 mil vagas no sistema penitenciário, nos últimos seis anos.

O secretário de Administração Penitenciária garantiu que com essas novas unidades, a superlotação em outras unidades do estado vai ser reduzida. “A Secretaria de Administração Penitenciária já possui uma melhor estrutura na parte de acautelamento e ressocialização dos presos”, afirma Cesar Monteiro.

O secretário diz outras unidades ficarão menos sobrecarregadas. “Essas vagas são importantes, tendo em vista a meta do governo de extinção das carceragens em delegacias”, planeja. Presídios privados têm sido opção para presos em outros estados. Um dos mais modernos é o de Ribeirão das Neves, em Minas Gerais, recém-construído. O Rio estuda a adoção do sistema.

Você pode gostar