Cabral nega mudança em UPPs, mas até prefeito aliado pede

Para sociólogo, a simples manutenção do programa sem uma profunda reavaliação é um erro

Por O Dia

Rio - O governo do estado anunciou nesta segunda-feira que não vai mais congelar o projeto das UPPs para redefinir estratégias de atuação neste momento em que os índices de violência têm aumentado, e o plano tem enfrentado duras críticas.

O governador Sérgio Cabral disse que tem a obrigação política de não permitir que esse legado seja deteriorado. “As UPPs vão continuar sendo instaladas, sim. Os territórios vão continuar sendo recuperados, sim”, disse Cabral.

Para o sociólogo Ignacio Cano, a simples manutenção do programa sem uma profunda reavaliação é um erro. “Já passou da hora de ser feita essa reavaliação. E tinha que ser feita com todo o cuidado para não parecer um recuo do governo. E o que tem de ser repensado não são só as UPPs, mas o conjunto das políticas de segurança”, explicou Cano.

Os prefeitos da Região Metropolitana têm sido os principais críticos do atual modelo, visto que os índices de violência nas cidades da Baixada Fluminense, de Niterói e de São Gonçalo têm crescido desde o ano passado.

“Acredito no projeto de pacificação e na seriedade tanto do governador Sérgio Cabral quanto do secretário Beltrame, mas penso que o projeto, como qualquer outro, passa por reavaliações ao longo do tempo e confio que Niterói e outras cidades serão atendidas”, disse o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, aliado político de Sérgio Cabral.

Últimas de Rio De Janeiro