Por thiago.antunes
Rio - Eduardo Fauzi, preso por agredir o secretário de Ordem Pública Alex Costa com um tapa na cabeça, teve liberdade concedida pela Justiça na tarde desta quarta-feira. A informação foi confirmada pela assessoria do Tribunal de Justiça. No dia 5 de novembro, após uma operação da secretaria que fechou estacionamentos irregulares na Zona Portuária, Fauzi agrediu Alex Costa durante uma entrevista. No dia 7, ele foi denunciado pelo secretário. Um dia depois, foi encaminhado para a 4ª DP (Praça da República), onde ficou preso.

Eduardo foi capturado na sede da Associação de Guardadores Autônomos São Miguel, localizada na Rua México, no Centro do Rio. O delegado Luiz Lima, titular da 4ª DP, representou contra a prisão de Eduardo que teve o mandado de prisão expedido pela Justiça. Ele vai responder pelos crimes de lesão corporal, ameaça, desacato, exercício ilegal da profissão e coação no curso do processo. Fauzi chegou a ser encaminhado para a delegacia na terça, mas foi liberado após pagar fiança.

O Ministério Público denunciou e pediu a prisão preventiva Fauzi pelos mesmos crimes, aceito pela 32ª Vara Criminal. O órgão informou que o acusado estava exercendo ilegalmente a atividade econômica no estacionamento rotativo, que não possui sequer alvará de funcionamento. Segundo o MP além de ter praticados sucessivos delitos contra um agente público, Cerquise tem antecedentes por delitos contra a pessoa, o patrimônio e a administração pública, entre outros.

Tapa foi pouco', disse acusado

Após o incidente, eles se reencontraram manhã de quarta-feira em outra operação, desta vez realizada na Rua Sacadura Cabral, na Zona Portuária. Eduardo declarou não se arrepender da agressão e contou que estava no local para representar mais de 200 profissionais guardadores de carros e microempresários do ramo.

Secretário Alex Costa é observado pelo seu agressor (de braços cruzados)Severino Silva / Agência O Dia

"Agressão muito maior é tirar o sustento de um cidadão. Um tapa no rosto desse sujeito foi pouco. Esse animal quer entregar o Centro para as grandes corporações. Ele só se aproxima de mim com vários homens em volta", afirmou Fauzi, que está à frente da Associação de Guardadores de Carros da Rua São Miguel.

De acordo com o delegado Alcides Pereira foram "apuradas condutas criminosas na exploração de estacionamento em área pública". Fauzi já coleciona antecedentes criminais por crime contra a ordem econômica, lesão corporal, formação de quadrilha, desobediência, calúnia e difamação, sendo investigado desde de agosto 2011 por formação de quadrilha em inquérito da 5ª DP (Gomes Freire). A origem da investigação foi a denúncia do então subprefeito do Centro, Thiago Barcellos, que incluiu o envolvimento de uma milícia, formada por policiais civis e militares no negócio.