Por adriano.araujo

Rio - Um soldado da Polícia Militar, identificado como Jaderson dos Anjos, foi baleado por traficantes no início da madrugada desta sexta-feira na Favela da Rocinha, em São Conrado, Zona Sul. O PM fazia um patrulhamento com o Grupo Tático de Polícia de Proximidade (GTPP) no Beco da Máscara, localizado na parte alta da comunidade.

Os criminosos, armados de fuzis, surpreenderam Jaderson e os outros policiais realizando vários disparos. O soldado foi atingido por estilhaços de bala no rosto e na mão. De acordo com a Polícia Militar, ele passa bem.

Tiros na quarta-feira

Ontem, policiais da 15ª DP (Gávea) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) realizaram operação na comunidade. Segundo o delegado Antônio Ricardo Nunes, o objetivo da incursão é prender líderes do tráfico de drogas que ainda atuam na comunidade. "Estamos realizando operações pontuais para prender esses criminosos o mais rápido possível", afirmou.

Três suspeitos foram detidosAlessandro Costa / Agência O Dia

Dois irmãos do traficantes Luiz Carlos Jesus da Silva, o Djalma, foram detidos nesta manhã. Um homem que atuaria como segurança do bandido também foi capturado. Segundo a polícia, Djalma disputa a venda de drogas na Rocinha com John Wallace da Silva Viana, o Johnny.

Houve confronto entre criminosos das facções rivais nesta quarta-feira à noite. A troca de tiros assustou moradores. A Rocinha conta com uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) desde setembro de 2012.

De acordo com o delegado Antônio Ricardo, a operação desta quinta foi realizada com base em informações repassadas pelo serviço de inteligência, Disque-Denúncia (2253-1177), Core e UPP.

Rocinha terá delegacia exclusiva

A Favela da Rocinha vai ganhar uma delegacia exclusiva para atender as ocorrências da comunidade. A unidade faz parte de um projeto da Polícia Civil de implantar delegacias em áreas com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). O Complexo do Alemão também vai ganhar uma unidade. A da Rocinha, primeira a funcionar dentro de uma favela, deverá começar a atender o público em dezembro ou, no máximo, janeiro.

As unidades serão construídas nos moldes da delegacias legais e cada uma terá 40 policiais, sendo dois delegados. A chefe de Polícia Civil, delegada Martha Rocha, negou que os últimos confrontos na favela sejam o motivo de eleger a Rocinha para abrigar a delegacia.

Segundo ela, a facilidade de já haver local praticamente pronto para abrigá-la foi definitivo na escolha. A delegacia ficará no imóvel onde está o Centro de Educação à Distância do Estado do Rio, ao lado do Complexo Esportivo da favela, que será transferido para o Ciep ao lado.

Você pode gostar