Por adriano.araujo

Rio - Pelo segundo dia consecutivo, a Polícia Militar, a Guarda Municipal e órgãos da Prefeitura atuaram no Centro do Rio e na Lapa para acolher moradores de rua, reprimir o uso de entorpecentes, prender suspeitos de crimes, na madrugada desta quarta-feira. Segundo a PM, as ações serão intensificadas nos próximos dias com o objetivo de reduzir os índices de criminalidade na região. Armas brancas foram apreendidas na área da Central do Brasil.

"As ações serão intensificadas semanalmente por determinação do Comando Geral da PM. O objetivo é evitar acontecimentos como o caso do jovem Conrado. Que isso não possa voltar a acontecer", disse o comandante da ação, subtenente Muniz, do 5º BPM, se referindo a morte do comerciário Conrado Chaves da Paz, de 19 anos, que foi assassinado com uma facada no peito na madrugada de domingo. Menos de 24 horas depois, um morador de rua foi esfaqueado e morto na Rua da Lapa, na madrugada de segunda-feira.

>>> GALERIA: Veja as fotos do recolhimento dos moradores de rua

Policiais revistam moradores de rua no Centro do RioOsvaldo Praddo / Agência O Dia

As equipes atuaram desde a noite de terça-feira na região dos Arcos da Lapa, Cinelândia, Avenida Chile, Central do Brasil e na Gamboa. A polícia também tenta com as ações identificar e prender traficantes que estão se infiltrando em locais de concentração de população de rua para vender entorpecentes. Vinte PMs atuaram na operação desta madrugada, além de nove guardas municipais e agentes da Subprefeitura do Centro e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social.

Áreas degradadas

Na área degradada atrás da Central do Brasil, em meio a restos de comida, obras do Terminal Rodoviário Américo Fontenelle e da falta de iluminação, os policiais apreenderam um canivete, uma tesoura e uma faca e um cachimbo para o consumo de crack. Na chegada da equipe, vários suspeitos fugiram. O acampamento montado por moradores de rua e usuários de crack ficava na calçada do Restaurante Popular Herbert de Souza (Betinho), na Rua Senador Pompeu, e foi destruído por guardas municipais. No dia 29 de novembro, um homem morreu esfaqueado no local.

Comandante da ação%2C subtenente Muniz%2C do 5º BPM%2Cmostra material apreendido em ruas do CentroOsvaldo Praddo / Agência O Dia

De lá, PMs e equipes da Prefeitura seguiram para a Rua Pedro Ernesto, na Gamboa, ao lado da Cidade do Samba. No trecho da via que serve de acesso de caminhões para obras de revitalização da região do Porto do Rio, cerca de 15 pessoas - sendo duas mulheres e três menores - foram abordados, revistados e cadastrados pela PM. Um deles havia montado uma pequena banca de venda de cigarros e copos de plástico, usados para consumir crack. Todos acabaram liberados. O acampamento de usuários de drogas montado em meio a água parada, terra, lixo, calhas e entulho de obras também foi destruído.

A ação também foi realizada na Rua Pedro Lessa, no trecho em frente a sede a Gerência do INSS no Rio. Das cinco pessoas que dormiam no local uma aceitou ir para um abrigo da Prefeitura. Na Rua Uruguaiana, no trecho próximo ao Largo da Carioca, um grupo de catadores de papelão foi abordado, mas nada foi encontrado. No total, pelo menos 25 pessoas foram cadastradas pela PM, todas maiores de idade e com idades entre 18 e 38 anos. Três foram encaminhados para abrigos.

Após o fim da operação a equipe do DIA circulou pelos locais por volta das 3h. Nos Arcos da Lapa, uma viatura do Batalhão de Turismo estava baseada. Não haviam usuários próximo ao Circo Voador, tradicional ponto de concentração de viciados. Na Cinelândia, a situação também era de aparente tranquilidade.

Operação prendeu dupla foragida da justiça

Segundo um rodoviário de uma linha de ônibus que faz ponto final na Avenida Chile, que preferiu não se identificar por medida de segurança, a presença de usuários e população de rua era atípica durante a madrugada. Ninguém estava acampado embaixo das pontes que cruzam a via. Ele acredita que as ações da polícia tenham disperso o grupo, que em sua maioria é da Favela Parque União, o Complexo da Maré, segundo ele. O funcionário acredita que a aglomeração deve voltar a acontecer na sexta-feira, dia de grande movimento de cariocas e turistas na região da Lapa.

Na madrugada de terça-feira, uma ação liderada pela Prefeitura do Rio com o apoio da PM e da Guarda Municipal apreendeu 39 adultos e 12 menores Todos foram liberados. No entanto, dois homens foragidos da justiça foram presos. Facas, tesouras e uma pequena quantidade de droga foram apreendidas. Na noite de segunda-feira, quatro mil silhuetas de corpos representando o número de assassinatos que ocorrem por ano no Estado do Rio de Janeiro foram pintados no chão do Largo da Carioca, no Centro, por integrantes da campanha Juventude Marcada Para Viver, do Observatório de Favelas.

Você pode gostar