Por thiago.antunes

Rio - A morte do comerciante Gerson Vaz, 64 anos, atingido no abdômen durante tentativa de assalto em seu bar, foi o desfecho de uma tentativa de arrastão na Lapa. Minutos antes de chegar à esquina das ruas Lavradio e Riachuelo, por volta das 1h10 desta sexta, os bandidos já haviam assaltado pelo menos um bar, próximo à esquina das ruas Riachuelo e Inválidos. Na ocasião, levaram cerca de R$ 300 do caixa e fugiram sem efetuar disparo.

A dinâmica do assalto foi a mesma. Com armas em punho, dois criminosos renderam funcionários, enquanto outros dois davam cobertura no carro preto (Tucson). “Eles já entraram gritando: ‘Perdeu!’. Não chegaram a ser violentos, mas estavam prontos para agir. Os caras eram grandes, assim como as armas”, contou um dos donos.

Gerson levou um tiro no abdômenReprodução

Sem poder de reação e em estado de choque, um dos funcionários passou a mão no caixa, onde estavam guardados de R$ 250 a R$ 300, e entregou a quantia. Pelo menos três clientes bebiam no bar na hora da ação, mas os criminosos nada fizeram com eles.

Quem trabalha na Lapa garante que crimes como estes são constantes. Já na madrugada de 7 de novembro, comerciantes de um bar, que fica na esquina das avenidas Gomes Freire com Mem de Sá, foram rendidos por um menor e um homem armado. Eles anunciaram o assalto e, quando se preparavam para pegar o dinheiro do caixa e dos cliente, foram surpreendidos pela reação de dois funcionários.

Estabelecimento fico no coração da Lapa. Episódios de violência se tornaram uma constante no bairroFelipe Freire / Agência O Dia

Em outro caso, arma falhou

Com uma faca, o gerente e o cozinheiro conseguiram imobilizar o menor. No entanto, o comparsa, armado com um revólver calibre 38, apontou a arma na direção de um dos funcionários. “Quem me salvou foi Deus. Ele apontou para a minha cara, a menos de um metro, e apertou o gatilho três vezes. Só que a arma falhou, para minha sorte, caso contrário não estaria contando esta história”, relatou o cozinheiro.

Assim que a arma falhou, uma das pessoas que estava no bar atingiu o criminoso com uma cadeirada. Só que o bandido revidou, acertando a cabeça do cliente. Após luta corporal entre os dois, o suspeito conseguiu escapar e ainda efetuou três disparos para o alto. O menor foi apreendido e levado à delegacia. “Ele ainda deu a volta no quarteirão e entrou num carro. Casos como o do Seu Gérson são comuns”, concluiu o cozinheiro.

Bar amanheceu com aviso de lutoFelipe Freire / Agência O Dia

Bairro vai ganhar ação permanente para fortalecer segurança

Por determinação do governador Sérgio Cabral, a Secretaria de Estado inicia, no dia 1º de janeiro de 2014, a “Operação Lapa Presente”, que terá o objetivo fortalecer a segurança e o direito de ir e vir dos moradores e frequentadores da Lapa. Baseada no modelo da Operação Lei Seca, a ação na Lapa terá caráter permanente, com equipes nas ruas todos os sete dias da semana, sem data para terminar. Sob a supervisão do governo, contará com profissionais cedidos pela PM, Secretaria Especial de Ordem Pública (SEOP), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Guarda Municipal e Comlurb.

De forma coordenada e integrada, os agentes farão rondas em bicicletas, a pé e em veículos para promover a ordem no bairro e coibir ações criminosas. Outro aspecto da operação será o acolhimento de moradores de rua. O lançamento da "Operação Lapa Presente" é resultado de reunião feita na manhã desta sexta-feira no Palácio Guanabara

Cabral anunciou operação para implantar segurança permanente na LapaShana Reis / Divulgação

Participaram da reunião: o Governador Sérgio Cabral, o Secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame, o Secretário de Estado de Governo, Wilson Carlos, o Chefe do Estado-Maior Geral Operacional da PM, Coronel Paulo Henrique Azevedo, o subchefe de Polícia Civil, Sérgio Caldas, a Secretária Estadual de Cultura, Adriana Rattes, o Vice-Prefeito e Secretário de Desenvolvimento Social do município do RJ, Adílson Pires, o Secretário Especial de Ordem Pública Alex Costa, além de moradores e comerciantes da Lapa.

O Batalhão de Polícia em Áreas Turísticas (BPtur) está de mudança para o imóvel onde está a companhia destacada do 5º BPM (Praça da Harmonia). Hoje com 210 policiais, o batalhão também receberá reforço. Além disso, o batalhão da área receberá novo contingente um mês. Durante a reunião, o próprio comandante do 5º BPM admitiu que o número empregado no patrulhamento em parte do Centro é insuficiente. “Ele disse que conta com 190 homens para patrulhar, além da Lapa, todas as outras áreas de responsabilidade do batalhão. Esperamos que algo seja feito, pois do jeito que está não dá”, disse o produtor cultural Léo Feijó.

Concentração de pessoas que vivem nas ruas em diversos pontos da Lapa assusta quem circula pela regiãoBanco de imagens

Polícia Civil já pediu prisão de suspeito de matar jovem

A Polícia Civil já pediu a prisão do suspeito de assassinar o ex-aluno do Colégio Pedro II, Conrado Chaves da Paz, de 19 anos, morto na Lapa. O crime, no domingo, chocou a população e chamou a atenção para a violência crescente no bairro, lotado de moradores de rua e viciados em crack que roubam e furtam pedestres e turistas. A Divisão de Homicídios (DH) identificou o acusado, que moraria nas ruas da região e teria aproximadamente 30 anos. A identidade do suspeito não foi divulgada para não atrapalhar o fim das investigações.

Os agentes devem encerrar o inquérito no início da próxima semana. Conrado comemorava seu novo emprego e aniversário de um amigo. Ele foi atacado por um grupo de usuários de crack no fim da madrugada, na Avenida República do Chile. Marcas no corpo indicavam que ele foi esfaqueado no coração. Segundo peritos, o jovem foi morto com faca serrilhada, tipo a usada para cortar pão, com lâmina de aproximadamente 12 centímetros.

Foram designados 180 PMs para garantir a segurança na Lapa e Saara%2C a partir desta sexta-feiraOsvaldo Praddo / Agência O Dia

As investigações concluíram que o crime foi um latrocínio (roubo seguido de morte) e que o motivo principal pode ter sido o celular do rapaz, que desapareceu. Conrado ainda carregava no bolso sua identidade, R$ 50 e cartão de crédito, que não foram levados. Ele estava sozinho e voltaria para casa, em Realengo, de ônibus.

A polícia ouviu diversas testemunhas e conseguiu imagens de câmeras próximas, o que ajudou na elucidação do crime e identificação do assassino. Até esta quinta-feira, os policiais ainda aguardavam que a Justiça analisasse o pedido de prisão do acusado pelo crime.

Conrado Chavez da Paz%2C 19 anos%2C foi morto com facada na Avenida ChileReprodução Internet

A atriz Ilva Niño, que há seis anos tem um teatro na Lapa, disse que a casa vai fechar as portas no dia 14. O motivo: a onda de violência e ataques de usuários de crack ao público. “Está um horror e as pessoas estão com medo de ir ao teatro. Os usuários ficam deitados no chão, pedem dinheiro, seguram as pessoas. Todos os comerciantes da região estão sofrendo porque a Lapa virou um local perigoso”, desabafou Ilva.

Lapa e Saara vão receber 180 PMs para coibir roubos a pedestres e turistas

A partir desta sexta, 180 policiais militares vão reforçar, diariamente, a segurança nas ruas da Lapa e do Centro Comercial Popular do Saara. O patrulhamento será realizado principalmente a pé, para coibir os roubos a pedestres e turistas. O centro comercial foi incluído na rota de reforço de policiamento devido ao grande número de consumidores fazendo compras de Natal. No fim de semana, o patrulhamento será feito por 100 policiais, de diversas unidades, em motos e viaturas.

Na quarta-feira, o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, declarou que o problema da Lapa não era de polícia,e sim social. “Não estou dizendo que morador de rua é bandido, mas ali no meio pode haver um usuário de drogas, que comete atos impulsivos. Estas pessoas precisam ser acolhidas”, disse.

Para o secretário de Desenvolvimento Social e vice-prefeito, Adilson Pires, cada secretaria tem sua parte na ação: “Há assaltantes misturados com moradores de rua. Fazemos a nossa parte, acolhemos as pessoas em situação de vulnerabilidade, mas existe a parte da polícia e ele (Beltrame) tem que assumir”.

Você pode gostar