Por marcello.victor
Publicado 07/12/2013 07:30 | Atualizado 07/12/2013 19:27

O tenente PM Daniel Benitez foi condenado nesta sexta-feira a 36 anos de prisão pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli, morta com 21 tiros em agosto de 2011, em Niterói. O oficial, que pegou 30 anos por homicídio e seis anos por formação de quadrilha, foi condenado por 7 votos a 0.

"A condenação foi uma resposta à altura do crime bárbaro que ele cometeu", disse o assistente de acusação, Técio Lins e Silva.

Dos seis réus condenados - ao todo 11 respondem pelo crime - o oficial foi o único até agora que pegou pena máxima. A sentença saiu às 23h, após 12 horas de julgamento no Tribunal do Júri, em Niterói. Benitez foi mentor intelectual do crime e também atirou em Patricia.

"A pena que ele pegou mostra o quanto ele é um psicopata", disse o promotor público Leandro Navega.

Benitez, que está preso no presídio federal de Rondônia, ficará mais uma semana no Rio para participar de uma audiência de instrução e julgamento semana que vem em São Gonçalo, onde responde por homicídio.

"A justiça foi feita", comemorou a irmã da juíza, Simone Acioli.

O próximo a ser julgado pelo assassinato da magistrada é o tenente-coronel Claudio Oliveira, comandante do 7º BPM (São Gonçalo) à época do crime. Ele senta no banco dos réus em março do ano que vem. Assim como Benitez, ele foi transferido para Rondônia. O oficial é acusado de ser o mandante do crime.

Você pode gostar