Por thiago.antunes
Publicado 11/12/2013 00:03 | Atualizado 11/12/2013 00:33

Rio - A funcionária do Detran Suellen de Souza Blanco dos Santos foi presa nesta terça acusada de participar de um esquema de fraude para aluguel de carros blindados ao Ministério Público, como O DIA noticiou nesta terça-feira. Luiz Armando Franco Alves, que também trabalha no Detran, e Alessandro Aguiar da Silva, que era o zangão do bando, estão foragidos. Suellen, que já havia sido presa, usava tornozeleira de monitoramento.

A quadrilha atestava a blindagem dos veículos sem a documentação exigida pelo Ministério do Exército. Os carros eram usados por promotores ameaçados de morte. Além da prisão de Suellen, os 16 veículos supostamente blindados usados pelo MP foram recolhidos e serão periciados. Eles são da empresa MFPS Locadora de Veículos Ltda., de Marcelo Flávio de Paulo Silva, denunciado pelo Ministério Público.

Em depoimento ao MP, Silva disse ter contratos com a Secretaria de Administração Penitenciária, o Instituto Estadual do Ambiente e o município do Rio. A prefeitura informou que usou um carro da empresa de abril a outubro.

Ao determinar a prisão dos acusados, o juiz Daniel da Silva Fonseca criticou o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco): “... verifico que não há no processo qualquer indicação de suspensão preventiva do contrato celebrado com a empresa MFPS, embora os fatos já sejam de conhecimento do Ministério Público há mais de 4 meses, sem que haja comunicação, inclusive, às autoridades que se utilizam dos carros locados e que podem estar com a segurança em risco”.

Sem licença do Exército

O esquema foi descoberto após o Detran, acionado pelo Ministério Público, consultar o Exército sobre um carro blindado. “Verificamos que ele não tinha licença do Exército. As fraudes deixam rastros e a gente acaba descobrindo porque o sistema é informatizado e não tem como apagar os dados falsos”, avisou o corregedor do Detran, David Anthony Alves.

Você pode gostar