Por thiago.antunes

Rio - Após chuvas, população e profissionais de saúde devem ter atenção redobrada aos sintomas da leptospirose. Transmitida na grande maioria das vezes pela urina de ratos, a doença costuma ter alta ocorrência quando as pessoas começam a limpar suas casas e têm contato com a água e a lama contaminada. O tratamento precoce é fundamental para evitar os casos mais graves da doença.

>>>GALERIA: Estragos na Baixada e interior do Rio

Nesta quinta-feira, a Secretaria de Estado de Saúde disponibilizou um kit calamidade para o município de Queimados. Esse é o segundo que vai para a Baixada Fluminense esta semana. O primeiro foi enviado na quarta-feira para Nova Iguaçu. Cada kit tem capacidade para atender 500 pessoas e contém medicamentos para a atenção básica, antibióticos, hipoclorito de sódio, ataduras, cateteres, luvas, máscaras descartáveis e seringas, entre outros.A região recebeu ainda 12 mil frascos de hipoclorito de sódio, mil doses de vacina de tétano e difteria, além de 9.300 folhetos informativos para prevenção de doenças, como leptospirose e dengue, e ações em enchentes.

Homem morreu e jovem está desaparecido após ponte ser arrastada%2C em Bom Jesus de ItabapoanaCarlos Grevi / Ururau / Agência O Dia

Conheça os sintomas

Os primeiros sintomas podem demorar até 30 dias depois do contato com a enchente para aparecer. Mas, em geral, surgem entre uma e duas semanas após o contato com a água contaminada. Os mais frequentes, que são febre, dor de cabeça e dores pelo corpo, principalmente na batata da perna, podem ser confundidos com os de outras doenças, como a gripe. Mas também pode ocorrer icterícia, coloração amarelada da pele e das mucosas. Todo paciente com leptospirose precisa de acompanhamento médico. Por isso, o paciente com suspeita da doença deve procurar um serviço de saúde.

Itaperuna%2C no Noroeste Fluminense%2C também está com ruas alagadasMarcos VD Ribeiro / Rádio Gospel FM / Agência O Dia

Para desinfetar sua casa e seus objetos, prepare uma mistura de água e água sanitária: quatro xícaras de café de água sanitária para cada 20 litros de água. Mas atenção: moradores que tiveram suas casas tomadas pelas águas das chuvas devem esperar baixar a água para lavar e desinfetar chão, paredes, objetos caseiros e roupas atingidas, além da caixa d´água. Depois, tudo deve ser enxaguado com água limpa. Todo alimento que teve contato com água contaminada deve ser jogado fora, pois pode transmitir doenças. Caso seja necessário voltar à área atingida pelas chuvas, a pessoa deve usar botas e luvas como proteção. Uma solução alternativa é amarrar dois sacos plásticos em cada mão e pé.

Cabral: 'Prioridade é atender pessoas que estão passando necessidades'

O governador Sérgio Cabral afirmou nesta quinta-feira, durante entrevista sobre a criação do gabinete integrado para contemplar municípios da Baixada, que a prioridade é atender imediatamente pessoas que estão passando necessidades por conta dos estragos feitos pela forte chuva que caiu no estado na madrugada e manhã desta quarta-feira. "Vamos tirar as pessoas das áreas de risco, contemplá-las com o aluguel social e atender de imediato pessoas que estejam passando necessidades. Ao mesmo tempo, vamos dragar os rios Botas, Sarapuí e Iguaçu", disse Cabral.

Cabral se reuniu com prefeitos da Baixada para montar gabinete integradoAlexandre Vieira / Agência O Dia

O governador também afirmou que o centro integrado vai servir para formalizar as discussões sobre casos similares. "O objetivo é criar um centro de planejamento e monitorar a situação sempre. Desde 2007, já foram investidos R$ 1 bilhão para construções, urbanizações e dragagem na Baixada Fluminense. Na manhã desta sexta-feira, faremos uma reunião com o ministro da Integração Nacional, Francisco José Coelho Teixeira, no Centro Integrado de Comando e Controle (CCIC) para avaliar a situação e discutir medidas futuras", pontuou.

Ainda segundo Cabral, as famílias desabrigadas deverão entrar nos programas Minha Casa, Minha Vida ou Compra Assistida. A Secretaria Nacional de Defesa Civil enviará R$ 4 milhões para assistência humanitária. Além do governador, participam do encontro o vice-governador Luiz Fernando Pezão, o secretário de Estado do Ambiente do Rio, Carlos Minc, o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, o secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, entre outras autoridades.

Prefeitos de Nova Iguaçu%2C Caxias%2C Queimados e Japeri estiveram com governadorAlexandre Vieira / Agência O Dia

De acordo com os últimos dados da Defesa Civil, há 227 famílias desalojadas em Mesquita, 16 em Queimados, 15 em Japeri e 400 em Nova Iguaçu. Em Japeri, 18 bairros foram atingidos e 17.771 pessoas foram afetadas pelas chuvas.

Baixada foi castigada durante temporal

A Baixada Fluminense foi bastante castigada pelo temporal durante a madrugada e a manhã desta quarta-feira. Nova Iguaçu, a cidade mais atingida em toda a Região Metropolitana, decretou estado de calamidade pública.Segundo o prefeito Nelson Bornier, cerca de 2 mil moradores foram obrigados a deixar suas casas.

Ao todo três pessoas morreram no Estado. Um homem foi levado pela correnteza de um rio em Belford Roxo e não resistiu. Seu corpo foi encontrado pelos bombeiros. Ele foi identificado como Neilson Viana Monteiro, de 18 anos. O pedreiro Martinho da Silva, de 50 anos, morreu após cair em um rio, em Nova Iguaçu. Na madrugada desta quinta, um homem morreu e um adolescente está desaparecido após uma ponte ser arrastada pela força da água na RJ-230, em Bom Jesus de Itabapoana, no Norte Fluminense.

Enchente deixou uma pessoa morta em Bom Jesus de ItabapoanaCarlos Grevi / Ururau / Agência O Dia

Mais de 120 militares do Grupamento de Busca e Salvamento e da Defesa Civil do Estado ajudaram os moradores de áreas atingidas em Nova Iguaçu, assim como em toda a região. Em Austin, uma encosta desmoronou. Pelo menos 50 famílias foram retiradas de suas casas.

Em Santa Eugênia, bairro nobre de Nova Iguaçu, um rio transbordou e inundou casas. Morador da região por mais de 30 anos, Antônio Carlos Dias passou a madrugada tentando tirar a água de dentro de casa: “ Minha geladeira chegou a sair do chão com a força da água. Espero que ela não tenha dado defeito. Nunca vi tanta chuva”.

Moradores carregam móveis e objetos após perderem casas em Nova IguaçuAlexandre Vieira / Agência O Dia

A Avenida Tancredo Neves, que liga o Centro da cidade ao bairro de Comendador Soares, virou mar: a água chegou à altura da janela dos veículos. Em Vila de Cava, o Canal do Paiol transbordou, deixando cerca de mil desalojados. O local fica próximo ao canteiro de obras do Arco Metropolitano.

No fim da tarde, moradores de Nova Iguaçu protestaram na altura do km 186 da Via Dutra. Moradores de Queimados também fecharam a rodovia, entre os quilômetros 193 e 204. Eles atearam fogo a pneus e outros objetos para interromper o tráfego na estrada, que liga o Rio a São Paulo.

Vila de casas desaba em Nova Iguaçu

Uma vila de casas desabou por volta das 4h30 da manhã desta quinta-feira, na Rua B, nº 128, no bairro Carmari, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Uma equipe da Defesa Civil foi enviada para o local e interditou toda a área. Ninguém se feriu. De acordo com os agentes, as casas foram construídas sem estrutura e de forma conjugada. Sete casas compõem a vila, mas quatro delas ficaram totalmente destruídas.

Famílias deixam casas que desabaram em vila no bairro Carmari%2C em Nova IguaçuAlexandre Vieira / Agência O Dia

A Defesa Civil vai terminar de demolir parte da estrutura que ainda ficou de pé e espera o laudo dos engenheiros para avaliar se as demais casas da vila também deverão ser derrubadas. Para Daniel Ramos, 66, dono da propriedade, o importante é que ninguém ficou ferido.

“Sempre sofremos com enchentes aqui. Não esperava por isso, mas ainda bem que o pior não aconteceu. Estamos vivos e pretendo reconstruir tudo”, afirmou o aposentado. Ao todo, sete famílias viviam na vila, totalizando 19 pessoas. Todos estão acomodados na casas de vizinhos e parentes.

Você pode gostar