Secretaria atende mais de seis mil famílias afetadas pela chuva na Baixada

Segundo órgão, maioria já voltou para casa

Por O Dia

Rio - A Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH) informou, na noite desta sexta-feira, que atendeu 6.653 famílias afetadas pelas chuvas na Baixada Fluminense. Segundo o órgão, a maioria delas já retornou a suas casas ou foi para casa de familiares ou amigos. Os números de mortos e total de pessoas afetadas pelo temporal será divulgado pela Defesa Civil.

>>>GALERIA: Estragos na Baixada e interior do Rio

Os pontos de recebimento de donativos continuam os seguintes:

Rio de Janeiro:
Abrigo Cristo Redentor - Avenida dos Democráticos, 1090, em Bonsucesso. Ao lado da 21ª D.P.

Nova Iguaçu:
Rua Dr. Luis Guimarães, 956 – Centro (Antiga Rua 13 de maio).

Queimados:
Centro Esportivo Vila Pacaembu

Japeri:
Escola Municipal Bernardino de Melo – Estrada de Sanato Antonio (à direita do banco Itaú).
Itens mais necessários: água potável, colchonetes, alimentos não perecíveis, roupa de cama, mesa e banho, fraldas tamanhos P, M, G e geriátricas.

Vila de casas desabou no bairro Carmari%2C em Nova IguaçuAlexandre Vieira / Agência O Dia

Aluguel Social

A SEASDH esclarece que para a concessão do aluguel social, a renda familiar total não pode ultrapassar o valor correspondente a cinco salários mínimos e é preciso apresentar laudo de emitido pela Defesa Civil Municipal.

Para o cadastramento, as famílias precisam apresentar os seguintes documentos:

- Identidade (original e cópia);
- CPF (original e cópia);
- Comprovante de residência (do imóvel afetado);
- Laudo da Defesa Civil;
- Bolsa Família (caso seja cadastrado no programa);
- Sumário Social (cadastro realizado pela secretaria Municipal de Assistência Social).

Moradores carregam móveis e objetos após perderem casas em Nova IguaçuAlexandre Vieira / Agência O Dia

- Veja o balanço dos atendimentos

Mesquita

486 famílias atendidas em três pontos de apoio nos dias 11, 12 e 13 de dezembro de 2013.
Não há famílias em abrigos.

Japeri

125 famílias atendidas em pontos de apoio diariamente;
Cinco famílias abrigadas na creche do bairro São Sebastião.

Nova Iguaçu

1900 famílias atendidas em 36 pontos de apoio, nos dias 11, 12 e 13 de dezembro de 2013.
Sete famílias no abrigo em Vila Cava;
40 famílias no abrigo em Comendador Soares.

Queimados

4490 famílias atendidas, desde o dia 06 de dezembro.
Hoje, 19 famílias em dois abrigos.

Campo de futebol alagado na BaixadaSeverino Silva / Agência O Dia

Cabral e prefeitos discutem força-tarefa para ajudar cidades atingidas por chuva

Na primeira reunião do Gabinete Integrado da Baixada Fluminense, que contou com a presença do governador Sérgio Cabral, prefeitos das cidades do Estado atingidas pela forte chuva, além do ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, e do Secretário Nacional de Defesa Civil, general Adriano Pereira Júnior, foi discutida a criação de uma patrulha Temporária Emergencial para a atuação nas áreas afetadas pelos temporais. O encontro ocorreu nesta sexta-feira no Centro Integrado de Comando e Controle, no Centro.

Com o uso de máquinas e pessoal, as patrulhas fariam o trabalho de limpeza nas áreas destruídas, dando um suporte ao trabalho já realizado pela Defesa Civil, de acordo com Sergio Cabral. A proposta foi feita pelo prefeito de Duque de Caxias, Alexandre Cardoso, e foi apresentada ao ministro da Integração Nacional e secretário Nacional de Defesa Civil.

Autoridades discutem soluções para ajudas cidades atingidas por chuvasShana Reis / Divulgação

O vice-governador do Estado, Luiz Fernando Pezão, explicou que a patrulha emergencial, se aprovada em Brasília, funcionaria sempre durante os quatro meses que compreendem o período de chuvas mais intensas (dezembro a março), e teria um custo médio de R$ 700 mil para cada um dos oito municípios da Baixada. A verba seria liberada pelo Ministério da Integração Nacional.

Caso seja aprovado, a ideia é que os equipamentos sejam alugados - em função do caráter temporário das patrulhas. O custo excedente aos R$ 700 mil em cada município seria assumido pelo governo do Estado.

Dezenas de ruas ainda estão com água na BaixadaSeverino Silva / Agência O Dia

A reunião continuou no início da tarde, mas sem a presença de Cabral e de Francisco Teixeira. Oito prefeitos da Baixada, o vice-governador, Luiz Fernando Pezão, e o chefe da Casa Civil da Prefeitura do Rio, Pedro Paulo Carvalho, permanecem no CICC e discutem pautas como o trabalho de desassoreamento de rios, a realização de obras estruturantes e aplicação do programa da compra assistida ou de indenização aos moradores que devem ser retirados de área de risco.

O projeto, que integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), está sendo executado em três fases. A primeira já foi concluída e a segunda, que tem recursos garantidos, deve ser iniciada no início do ano que vem. O governo estadual precisa de R$ 450 milhões para a terceira fase.

Últimas de Rio De Janeiro