Por thiago.antunes

Rio - A apreensão no sábado de três toneladas de maconha em um sobrado na Favela de Acari, na Zona Norte, é, para a polícia, indício de que a localidade passou a ser usada como entreposto por uma das principais facções criminosas do Rio, o Terceiro Comando Puro (PCP). As operações policiais no Complexo da Maré, considerado o QG da facção, fez com que a quadrilha buscasse Acari como alternativa para reduzir prejuízos com apreensões.

O traficante Marcelo Santos das Dores, o Menor P, passou a circular com maior frequência em Acari, segundo policiais da 39ª DP (Pavuna), que investiga o tráfico na área. Apontado como o chefão da facção, o bandido estaria buscando uma alternativa para a distribuição de drogas, já que a Maré deve receber uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no próximo ano.

A maconha foi achada por cães da polícia no terceiro andar do sobradoMaíra Coelho / Agência O Dia

Segundo um dos policiais envolvidos na investigação, há em Acari grande circulação de drogas, assim como no Complexo da Maré e na Ilha do Governador. A diferença, de acordo com o agente, é que lá o tráfico atua de forma mais discreta, para evitar enfrentamentos. 

A Rua Piracambu, em frente à escola de samba Favo de Acari é apontada pela polícia como um dos pontos com maior movimentação do tráfico no bairro. Foi lá que policiais do Batalhão de Ações com Cães (BAC) e do Bope apreenderam a droga, que estava escondida num sobrado. Os policiais chegaram ao local graças ao faro dos labradores Scott e Jack. No segundo andar, os policiais encontraram 4.458 frascos de lança-perfumes, 100 litros de cheirinho da loló, cerca de mil comprimidos de ecstasy e dois coletes à prova de balas. As três toneladas de maconha estavam estocadas em tabletes, cobertas por lona de plástico, no terceiro andar.

Você pode gostar