Por thiago.antunes

Rio - A 4ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal da 2ª Central de Inquéritos de Niterói ofereceu denúncia contra Ronaldo Peçanha de Oliveira, vulgo Coelhão ou Ronaldinho, pelos crimes de roubo e de extorsão qualificados e homicídio tentado qualificado. Ele e um comparsa, identificado apenas como Magrinho, praticaram os crimes no dia 14 de novembro deste ano. A informação foi divulgada pelo órgão nesta quinta-feira.

De acordo com a denúncia, o primeiro roubo ocorreu por volta das 8h40, na Rua Moacir Padilha, no Centro de Niterói, nas proximidades do Morro do Estado e do Shopping de Niterói. Armados, eles abordaram duas pessoas - mãe e filho que estavam em um estacionamento - e roubaram R$ 1,8 mil, cartões bancários, relógio, aparelhos de celular e dois rádios. Os criminosos obrigaram as vítimas a esperar por cerca de 10 minutos e passaram a exigir as senhas dos cartões. Em seguida, obrigaram as vítimas a entrar no carro de uma delas e trafegaram por ruas de Niterói, procurando agências bancárias para sacar dinheiro.

Segundo a denúncia, apesar da extorsão, eles não conseguiram efetuar saques, porque policiais militares suspeitaram da ação e passaram a seguir o carro em que eles estavam. Os criminosos, ao escutarem a sirene da viatura, saíram do veículo em que estavam e passaram a disparar contra os PMs. Um dos criminosos acabou baleado na perna. Por essa ação, a promotoria os denunciou por tentativa de homicídio.

Ainda no dia 14, na Travessa Manoel Barros, próximo ao Morro do Martins, em Niterói, o denunciado e seu comparsa roubaram um táxi que trafegava pelo local e conseguiram fugir, sendo que o criminoso atingido na perna mais tarde foi localizado, ferido, em sua residência e preso.

As penas para roubo qualificado variam de quatro a 10 anos de reclusão; extorsão qualificada, de seis a 12 anos; e de homicídio qualificado tentado, de 12 a 30 anos. A denúncia foi encaminhada ao Tribunal do Júri de Niterói (3ª Vara Criminal)

Você pode gostar