Por bianca.lobianco
Rio - A ação criminosa que deixou uma jovem morta e um DJ conhecido na Cidade de Deus ferido está sendo investigada pela Polícia Civil, inicialmente, como latrocínio (roubo seguido de morte). O crime contra o casal de amigos aconteceu ontem de manhã na Estrada de Jacarepaguá, no Anil.
Fabrício ‘CDD’: ‘Nos conhecemos na escola. Éramos almas gêmeas’Reprodução Internet

Rosana Santos da Silva, de 23 anos, foi atingida nas costas e morreu no local. Já o DJ Fabrício Cavalcante ‘CDD’, de 25, levou tiro de raspão no braço. Dois bandidos numa moto roubaram a Honda XRE preta dirigida por Rosana. Fabrício estava na garupa.

A perícia da Divisão de Homicídios apura se o mesmo disparo atingiu os dois. Imagens de câmeras de segurança de residências próximas e estabelecimentos comerciais já foram solicitadas para rastrear os criminosos.
Publicidade
Minutos antes do ataque, os amigos haviam saído de baile funk em Rio das Pedras e voltavam para a Cidade de Deus, onde ambos sempre moraram. Na altura do Bosque dos Esquilos, no Anil, os bandidos começaram a perseguir as vítimas.
“Ela até tentou parar, mas, encurralada a 60km/h, acabou batendo no meio-fio e, sem querer, pisou no acelerador, que fez um barulho alto. Possivelmente assustados, atiraram”, narrou Fabrício. De acordo com ele, a má sinalização da pista e a iluminação precária tornam difícil o reconhecimento dos bandidos.
Publicidade
Fabrício foi atendido no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, e passa bem. Ele lamenta a morte de amiga, que trabalhava como motorista dele, quando voltava de suas apresentações.
Ele diz não saber como dará prosseguimento à carreira “Nos conhecemos na escola, éramos almas gêmeas. Não sei se terei forças daqui em diante”, disse o DJ, emocionado.
Publicidade
De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), o número de roubos e furtos na região sob a proteção do 18º BPM (Jacarepaguá) saltou de 514 para 589, no comparativo entre setembro de 2012 e o mesmo período deste ano.
Mãe está à base de calmantes
Publicidade
A família de Rosana Santos da Silva está bastante abalada com a morte da jovem, disse um irmão. “Estava dormindo quando o telefone tocou com a notícia do assassinato de minha irmã caçula. A violência está um absurdo. Ainda não consigo acreditar no que aconteceu”, desabafou o gari Rogério dos Santos, de 36 anos, irmão da vítima.
A mãe da jovem, Teresinha dos Santos, 65, que tem outros cinco filhos, está medicada com calmantes e provavelmente não terá condições de acompanhar o velório da filha, segundo Rogério. O enterro de Rosana está marcado para hoje, às 13h, no Cemitério de Ilha de Guaratiba, na Zona Oeste.
Publicidade
Publicidade