Por daniela.lima

Rio - Após parar por duas horas, mototaxistas que trabalham nos morros da Babilônia e do Chapéu Mangueira, no Leme, registraram queixa na madrugada de ontem, na 12ª DP (Copacabana), por abuso de autoridade. Eles denunciam que PMs e guardas municipais estão aplicando multas de trânsito arbitrariamente. As autuações teriam começado após a divulgação de um vídeo na internet em que dois PMs da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) local aparecem agredindo o morador e mototaxista Paulo Sérgio Moreno Campos, o Buiú, no dia 9 de novembro. 

Mototaxistas do Chapéu Mangueira e Babilônia registraram queixa na delegacia por abuso de autoridadeOsvaldo Praddo / Agência O Dia


O mototaxista Carlos Antonio de Oliveira, o Toni, de 36 anos, disse que 35 dos 47 profissionais começaram a receber notificações de multas no último dia 11. Vários deles afirmam que não estavam trabalhando no dia. Ele cita casos de moradores que não trabalham no transporte alternativo de também estarem sendo autuados. “Sem dúvida é um represália depois do caso de agressão contra o Buiú. Na época, ele registrou ocorrência e dois policiais foram afastados”, afirmou.

Multado duas vezes no mesmo dia, Agnaldo Bezerra, 37, disse que não pôde fazer ontem a vistoria anual de sua moto. “Estava em casa no dia e horário da suposta infração. Como eu, outros colegas foram infracionados no mesmo dia, em horários tipo 9h01, 9h02, 9h03. É um abuso de autoridade”.

Por nota, o Comando de Polícia Pacificadora (CPP) informou que há meses foi estabelecido um prazo para que os mototaxistas regularizassem sua situação, já que alguns sequer possuíam habilitações ou documentos dos veículos. Houve um cadastro e foram distribuídos coletes aos que estavam com tudo em dia. No entanto, passado o período, as irregularidades continuaram. Amanhã eles vão se reunir com a tenente Paula Apulchro, comandante da UPP.

Você pode gostar