Por bianca.lobianco

Rio - Ao contrário de cariocas e turistas que foram ao Réveillon de Copacabana, os convidados da prefeitura para a área VIP do palco principal não passaram por qualquer sufoco ao chegar ou sair do bairro.

Todos puderam embarcar em vans que, escoltadas por batedores da Guarda Municipal, fizeram o trajeto entre o Palácio da Cidade e a Rua Fernando Mendes, bem perto da praia. As vans estavam entre os poucos veículos autorizados a circular por Copacabana: nem ônibus e táxis podiam rodar por lá.

Palco e lounge
Do estacionamento das vans, os convidados eram levados até a área VIP, que incluía espaço com vista lateral para o palco e lounge com serviço de bufê.

Patrocinadores
A prefeitura diz que as despesas com a “área de convivência” foram dos patrocinadores da festa. Afirma ter recebido destas empresas 60 convites e seis vans — na prática, um veículo para cada grupo de dez pessoas. A Guarda Municipal cedeu sete batedores.

Sem funcionários
Restaurantes do Leme ficaram desfalcados no Réveillon. Como funcionários faltaram, a Fiorentina reduziu o cardápio e não serviu pizzas. O Joaquina ficou sem ingredientes para algumas saladas.

Você pode gostar