Por tamyres.matos

Rio - Os passageiros do Transoeste têm enfrentado um verdadeiro rali nas viagens feitas pelo corredor de ônibus que liga a Barra da Tijuca a Santa Cruz. Para se ter uma ideia do tamanho do problema, o trecho de 31 quilômetros que vai do Terminal Alvorada até a Estação Pingo D’Água tem 270 remendos no asfalto, considerando as duas pistas (ida e volta). A contagem foi feita nesta quarta-feira por O DIA. Alguns reparos na pista — inaugurada há pouco mais de um ano — chegam a ter 10 metros de comprimento. Há inclusive retoques em remendos já feitos.

É como se a cada 115 metros um buraco ou um desnível passasse no caminho dos usuários e motoristas do BRT. No trajeto de ida, foram contados 120 remendos. Na volta, 150. A Secretaria Municipal de Conservação diz que não tem como informar quanto de dinheiro já foi gasto com os retoques na pista. O órgão admitiu que semanalmente tem feito operações para recuperar trechos danificados.

Alguns ônibus já apresentam problemas devido ao desnível das pistas%2C que com pouco tempo de construção apresentaram buracos e os remendos foram mal feitos Maíra Coelho / Agência O Dia

Para quem anda no Transoeste, o asfalto com ondulações, declives e falhas causados pelos reparos malfeitos deixa riscos de acidentes. A sensação de quem está no ônibus, em alguns pontos do BRT, é a mesma de quem passa por uma estrada de terra batida. Os sacolejos são normais e é preciso se segurar para não cair.

“Já levei uns solavancos e perdi o equilíbrio, por causa desses remendos na pista”, reclama o cozinheiro Francis Moreira, 25 anos, que usa diariamente o sistema de ônibus. Grávida de oito meses, a babá Isabel Cristina de Souza, 29 anos, se segura como pode ao passar pelas áreas com trepidações do asfalto. “Uso o Transoeste desde que ele foi inaugurado, e tenho percebido que a cada dia aumenta o número de buracos”, desabafou.

Para os motoristas, a solução é trafegar em baixa velocidade para reduzir o impacto dentro do ônibus ao passar pelos remendos. Mesmo assim, as consequências de circular num rali urbano já são sentidas na frota nova de veículos, segundo eles. A vida útil dos articulados é de 20 anos, mas muitos já apresentam problemas no sistema de amortecedores. É possível ouvir o barulho da suspensão durante as viagens. E, em determinados trechos, se o condutor ficar desatento, ele acaba com o parachoque no asfalto, por causa do impacto das ondulações.

Construção das pistas tem prazo curto de garantia

Apesar de ainda muito novo — foi inaugurado em junho de 2012 — e de ter custado um pequena fortuna, cerca de R$ 1 bilhão, o Transoeste tem seus reparos feitos com dinheiro público. Explica-se: a prefeitura alega que o contrato de garantia da obra, feita pela construtora Odebrecht, já venceu. “(...) por esse motivo, os serviços de manutenção estão sendo executados pela Secretaria de Conservação e Serviços Públicos”, explicou o município em nota.

Asfalto em alguns trechos do BRT Transoeste parece colcha de retalhos e ônibus circula com solavancosMaíra Coelho / Agência O Dia

Alguns trechos do BRT estão caóticos. É caso da pista entre as estações Magarça e Mato Alto, sentido Barra da Tijuca, que têm 37 marcas de remendo no asfalto das pistas.

A Secretaria de Conservação disse que seus técnicos junto com os da Secretaria de Obras percorreram todo o trajeto da Transoeste e fizeram um diagnóstico para apontar soluções técnicas cabíveis para as imperfeições que na faixa exclusiva.

Você pode gostar