Por tiago.frederico

Rio - O papa Francisco anunciou neste domingo, durante a oração do Ângelus, na Praça de São Pedro, no Vaticano, a criação de 19 novos cardeais, entre eles o arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani Tempesta. Esta é a primeira vez que o pontífice faz este tipo de nomeação desde março de 2013, quando chegou ao posto mais importante da Igreja Católica.

O consistório no qual Francisco entregará o capelo e o anel aos novos cardeais será realizado, como já tinha sido antecipado, no dia 22 de fevereiro, no Vaticano. Entre os 19, 16 têm menos de 80 anos, incluindo dom Orani, e poderão votar no Conclave que vai eleger o sucessor de Francisco como papa.

O arcebispo do Rio Dom Orani é um dos 16 novos cardeais do VaticanoCarlos Moraes / Agência O Dia

Além do brasileiro, foram criados cardeais de Itália, Alemanha, Reino Unido, Nicarágua, Canadá, Costa do Marfim, Argentina, Coreia do Sul, Chile, Burkina Faso, Filipinas, Haiti, Espanha e Santa Lúcia. Os três arcebispos eméritos, que têm mais de 80 anos, são Loris Francesco Capovilla (Itália), o Kelvin Edward Felix (Santa Lúcia) e Fernando Sebastián Aguilar (Espanha).

Dom Orani, de 63 anos, foi nomeado arcebispo do Rio de Janeiro em 2009, e já tinha sido arcebispo de Belém e bispo de São José do Rio Preto. Ele nasceu em São José do Rio Pardo (SP) em 1950 e foi ordenado padre em 1974. O novo cardeal foi o anfitrião do pontífice no ano passado durante a visita oficial ao Rio de Janeiro em função da Jornada Mundial da Juventude.

O papa também anunciou neste domingo que, antes da cerimônia de 22 de fevereiro, reunirá o Colégio Cardinalício nos dois dias anteriores para "debater o tema da família". O último consistório aconteceu em novembro de 2012, e no final deste mês o número de cardeais eleitores, ou seja, os com menos de 80 anos, será de 106, por isso havia 14 vagas disponíveis no Colégio Cardinalício.

Com as nomeações de hoje, o número de eleitores passará a 122, superando o máximo de 120 que participa de um Conclave, mas dez cardeais completarão 80 anos em 2014. O conclave no qual Francisco foi eleito papa, em 13 de março do ano passado, era formado por 69 cardeais da Europa, 19 das Américas, 11 da África e 10 da Ásia.

Papa Franscico recordou que na sua diversidade de origens, os novos cardeais "representam a profunda relaçao eclesial entre a Igreja de Roma e as outras Igrejas dispersas pelo mundo". Ele pediu também orações pelos novos purpurados, "para que revestidos das virtudes e dos sentimentos do Senhor Jesus, Bom Pastor, possam ajudar mais eficazmente o Bispo de Roma no seu serviço à Igreja universal".

CARDEAIS

- O arcebispo do Rio de Janeiro, D. Orani Tempesta, do Brasil.
- O secretário de Estado do Vaticano, o italiano D. Pietro Parolin;
- O secretário geral do Sínodo dos Bispos, o italiano, D. Lorenzo Bardisseri;
- O arcebispo emérito de Regensburg e prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o alemão D. Gerhard Ludwig Muller;
- O prefeito da Congregação para o Clero, o italiano Beniamino Stella;
- O arcebispo de Westminster, o inglês D. Vincent Nichols;
- O arcebispo de Manágua, na Nicarágua, D. Leopoldo Solorzano;
- O arcebispo de Québec, o canadense D. Gérald Lacroix;
- O arcebispo de Abidjão, na Costa do Marfim, D. Jean –Pierre Kutwa;
- O arcebispo de Perugia, o italiano D. Gualtiero Bassetti;
- O arcebispo de Buenos Aires, o argentino D. Mario Aurelio Poli;
- O arcebispo de Seul, o coreano D. Andrew Yeom Soo Jung;
- O arcebispo de Santiago do Chile, D. Ricardo Andrello;
- O arcebispo de Ouagadougou, de Burkina Faso, D. Philippe Ouédraogo;
- O arcebispo de Cotabato, o filipino D. Orlando Quevedo;
- O bispo de Les Cayes, o haitiano D. Chibly Langlois;

CARDEAIS EMÉRITOS

- Mons. Loris Capovilla, de 98 anos, que foi secretário pessoal do Papa João XXIII;
- D. Fernando Sebastian Aguillar, arcebispo emérito de Pamplora, Espanha;
- D. Kelvin Felix, arcebispo emérito de Castries, Jamaica.

Você pode gostar