Por tamyres.matos
Rio - Milicianos podem estar por trás do atentado que culminou na morte de dois homens e de uma menina de 12 anos, terça-feira à noite, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. De acordo com as investigações iniciais da 54ª DP (Belford Roxo), Jonathan de Souza Paschoal, de 23 anos, e Willian Gamas de Oliveira, de 25, seriam os alvos do bando que fez os disparos. Thaysa da Silva Chagas foi vítima de bala perdida e também morreu. Outras duas pessoas ficaram feridas.
O crime aconteceu no bairro Santa Amélia, por volta das 23h. Segundo testemunhas, homens encapuzados num veículo preto atiraram em direção a um bar na esquina das ruas Olavo Bilac e Axélia. Durante a ação, os rapazes tentaram fugir, mas foram executados dentro de uma casa. As irmãs Thaysa e Thamyris da Silva Chagas, de 12 e 15 anos, também correram para a mesma residência e teriam sido atingidas pela mesma bala. Dentro do bar, Jeovania Costa da Silva, de 59, também foi atingida.
Policial do 20º BPM na rua onde ocorreu o crime, no bairro Santa Amélia, por volta das 23h de terça-feira: moradores estão apavoradosFabio Gonçalves / Agência O Dia

As irmãs e Jeovania foram levadas para o Hospital do Joca, na mesma cidade. As três vítimas foram atingidas na perna. Thaysa foi alvejada na femoral e não resistiu ao ferimento. Thamyres e Jeovania foram medicadas e liberadas. Policiais interrogaram testemunhas e realizaram perícia no local do crime. De acordo com nota da Polícia Civil, os agentes procuram por câmeras de segurança na região e trabalham com todas as hipóteses sobre a motivação dos homicídios.

O pai de Thaysa, Josemar da Silva Chagas, contou que as filhas moravam com a família em São João de Meriti, também na Baixada, e passavam uma semana na casa da tia, em Belford Roxo. Josemar contou que foi avisado de madrugada pelo cunhado da morte da filha. Ela havia saído com a irmã e as primas para comprar um lanche, por volta das 23h.

Publicidade
“Estou transtornado, não tenho palavras, é uma revolta muito grande. A gente faz de tudo para criar uma filha, e esses monstros fazem isso”, disse o pai durante o enterro ontem à tarde, no Cemitério de Olinda, em Nilópolis.
“Nunca vi nada parecido com isso aqui neste bairro. Apesar de Belford Roxo estar violento, aqui em Santa Amélia as coisas estavam até calmas”, disse uma vizinho do bar.
Publicidade
ISP: número de mortos na cidade subiu 86,9%
Os homicídios dolosos (com intenção de matar) subiram 86,9% em Belford Roxo nos últimos seis meses publicados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). De abril a setembro de 2013 foram 157 pessoas assassinadas na cidade contra 84 registros no mesmo período de 2012.
Publicidade
Para conter a violência, a Secretaria de Segurança aposta na inauguração de uma companhia destacada do 39º BPM (Belford Roxo) na Favela Gogó da Ema, região considerada crítica pelas autoridades.
Policiais procuram pistas de suspeitos após chacina em Belford RoxoFabio Gonçalves / Agência O Dia

Segundo a PM, antes da inauguração da companhia, que deverá ter 60 homens, operações dos batalhões de Operações Especiais (Bope) e de Choque serão realizadas em Belford Roxo e outras regiões da Baixada.

Outra estratégia da secretaria é a criação de uma Divisão de Homicídios da Baixada, em Belford Roxo, nos moldes das que já existem na capital e em Niterói. A especializada tem previsão de ser inaugurada até o dia 29 deste mês e deverá contar com 10 delegados, 200 investigadores e aparato próprio de perícia criminal.
Publicidade
Além de elucidar com mais eficiência os casos de homicídio, a criação da especializada libera as distritais da Baixada para investigar melhor os outros crimes, como roubos.
Padrinhos não acreditam na prisão dos culpados
Publicidade
Durante o enterro de Thaysa, familiares da menina contaram que não acreditam que os culpados sejam identificados. O padrinho da vítima, o estofador Sérgio Andrey Marques, de 41, contou que a morte de Thaysa será ‘apenas mais uma’.
“Aqui na Baixada os tiros são constantes e, nesse caso, assim como em muitos outros, a Justiça não será feita. Dificilmente vão chegar ao autor”.
Publicidade
A madrinha da menina, Gabriela de Silva, compartilha a opinião de Sérgio. Ela disse que Thaysa havia completado 12 anos no dia 4, quando passaram o aniversário dela juntos. “Não vai ter justiça. Esse caso vai morrer e vai surgir outro. E saber disso é uma tristeza muito grande.”
Colaborou Flávio Araújo