Policiamento segue reforçado na porta do Shopping Leblon

Clientes encontram entrada fechada e reclamam de decisão

Por O Dia

Rio - Viaturas da Polícia Militar ficaram posicionadas na porta do Shopping Leblon, na Avenida Afrânio de Melo Franco, no Leblon, na tarde deste domingo. Com medo de um rolezinho convocado pelas redes sociais, a direção do shopping decidiu não abrir as portas.

Desde cedo, dezenas de clientes foram ao local e de surpreenderam com o fechamento das portas, que estão protegidas com tapumes de PVC. O Rio Design Center, que fica na mesma rua, também está fechado. Jornalistas e até repórteres estrangeiros se encontraram no local para acompanhar o possível encontro de jovens.

Rolezinho faz shopping Leblon fechar. Na foto%2C manifestante fantasiado de Batman protesta na porta Ernesto Carriço / Agência O Dia

Um grupo formado por cerca de 50 manifestantes se concentrou na porta com cartazes. Alguns levaram caixa de som e dançaram funk. Em certos momentos, os jovens chegavam a fechar uma das pistas na rua, mas logo voltavam para a calçada. Outros integrantes apareceram fantasiados, e um churrasco improvisado com linguiças e asas de galinha foi promovido.

Por volta das 18h, o clima esquentou um pouco e um jornalista da Globo News foi expulso pelos manifestantes. Integrantes do Midia NINJA também participam da concentração.

Na calçada%2C ativistas improvisaram churrasqueira e beberam uísqueErnesto Carriço / Agência O Dia

"É uma afronta ao carioca. Está nítido que eles querem fazer baderna”, criticou a aposentada e moradora do Leblon, Rosiane Nemis, de 71 anos. Assim como ela, outros moradores do bairro e consumidores do shopping eram contra o ato. Mas havia também os apoiadores, como a estilista Sabrina Magalhães, 28. Ela e outras três amigas, também moradoras do Leblon, foram jogar baralho e ler revistas na calçada do shopping. “Viemos apoiar o ‘rolezinho’. Já que o shoping fechou, vamos nos divertir aqui fora”, contou Sabrina.

O Teatro Oi Casa Grande, que fica ao lado do Shopping Leblon, no entanto, funcionou. O professor Rafael Saldanha, 32 anos, morador da Tijuca, foi um dos que "perderam a viagem" ao irem ao endereço. Rafael e sua mulher estavam com ingressos de cinema comprados para uma sessão neste domingo.

O professor informou que não sabia que haveria rolezinho. "É um abursdo, porque no shopping entram cinco mil pessoas todos os dias. O rolezinho nao significaria nada. Não tem problema nenhum. Foi um erro o shopping não abrir", reclamou.

A direção do Shopping Leblon só deixou funcionários com chachá entrar para pegar algo nas lojas. Os mesmos, no entanto, não puderam demorar. Por volta das 20h, os manifestantes se dispersaram. Cerca de 20 deles caminharam em direção à Praia do Leblon, sendo acompanhados por PMs que estavam do outro lado da calçada do shopping. Outros ativistas seguiram em direção à Gávea, interditando uma faixa da Rua Professor Antônio Maria Teixeira. Não houve registro de confusão.

Em nota, o Shopping Leblon e o Rio Design afirmaram que abrirão nesta segunda-feira, a partir das 12h. A medida judicial obtida pelo grupo Habeas Corpus, que derrubou a liminar da juíza Isabel Pessanhada e garantiu o ‘rolezinho’ no Shopping Leblon continua valendo nesta segunda.

Últimas de Rio De Janeiro