As táticas para driblar o calorão

Desde o tradicional leque ao chapéu mexicano e ao picolé geladinho, vale tudo para se refrescar

Por tamyres.matos

Rio - O nome já é sugestivo: Saara. E ontem a sensação térmica por lá fez jus ao nome: 40 graus. Mas um certo grupo de comerciantes desta área tradicional do Centro do Rio está é gostando. “Para mim é ótimo, porque vendo 50% a mais de picolé quando está quente assim”, disse Nair Adão, 63 anos. Vendedores de saladas de frutas também comemoram: chegam a faturar o dobro em dias como o desta quinta-feira.

Para enfrentar o calorão dali, cada um tem a própria tática, recorrendo a sombras, muita hidratação e a apetrechos que parecem não sair de moda. É o caso da cozinheira Mariene do Carmo, de 57 anos. Se abanando com um leque estampado e esbanjando elegância entre a característica multidão que toma conta das vielas da Saara para aproveitar o preço camarada das lojas, ela não dispensa o acessório. “Esse é meu ventilador portátil. Sempre uso esse leque e chapéu para sair na rua quando tá fazendo esse calor infernal. Alivia um pouco e ainda faço charme”.

Mariene do Carmo se abana no leque em pleno calor do Saara%2C no Centro%3A ‘É o meu ventilador portátil’Alexandre Brum / Agência O Dia

Robson Pinto, 35 anos, é dono de uma barraca na praia de Ipanema e trabalha de 6h da manhã até às 20h debaixo do sol. Ele experimentava os chapelões mexicanos para proteger seu rosto. “Eu trabalho na praia o dia inteiro. Só usando esse chapéu para aguentar o sol batendo no rosto. E também é bom porque chama atenção dos clientes”, afirmou.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, a maior temperatura registrada ontem nas estações oficiais foi de 38,4 graus em Santa Cruz, às 15h. O que provoca o intenso calor é uma massa de ar quente que está sobre a cidade e deve permanecer até o fim de semana em todo o estado, com pouca probabilidade de chuvas isoladas. Alta pressão e umidade mantêm a sensação térmica muito alta, por conta da baixa nebulosidade e poucos ventos. Hoje a máxima deve chegar aos 38 graus novamente, e no fim de semana os termômetros podem chegar a bater os 40 graus. Fora a sensação térmica...

Radiação ultravioleta em alta

A presença de poucas nuvens no céu pode representar grande risco a saúde de quem se expõe ao sol. Segundo o Instituto Climatempo, a incidência dos raios ultravioleta está em níveis extremos no Rio de Janeiro.

Especialistas indicam que o ideal é evitar ficar exposto ao sol das 10h às 16h. É recomendável usar protetor solar mesmo quando se está longe da praia.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia