Por marcello.victor

Rio - Pacientes e funcionários do Hospital Norte D’ Or, na Rua Carolina Machado, em Cascadura, na Zona Norte, viveram momentos de terror ao serem vítimas de um arrastão, na noite desta segunda-feira. Cerca de seis bandidos armados com pistolas invadiram duas emergências e o pátio da unidade de saúde. Eles renderam os vigilantes e roubaram bolsas, relógios, celulares, dinheiro e aparelhos eletrônicos. Vários acompanhantes de pacientes passaram mal e tiveram que ser medicados. Não houve feridos. A quadrilha fugiu.

Segundo um comerciante de 44 anos, que acompanhava sua mulher que está internada na unidade hospitalar, cerca de dez bandidos invadiram as duas emergências do hospital. Segundo o homem - que também é militar da reserva - todos os bandidos eram jovens com idade de até 20 anos, atuaram com os rostos descobertos e portavam internamente pistolas Bereta 9mm.

"Foi uma ação bem orquestrada. Sou militar da reserva, tenho experiência. Eles tinham uma voz de comando a quem obedeciam. Conheciam o local e tomaram os principais pontos. Não eram ladrõezinhos. Muitos deles usavam camisas vermelhas e fizeram referência a uma organização criminosa gritando várias vezes que aquilo era o Comando (Vermelho), que eles eram do Comando", revelou o comerciante.

Ele disse ainda que, depois da ação e da fuga dos bandidos, conversou com seguranças que foram rendidos na entrada e no pátio do hospital. Segundo eles, outros homens armados de fuzis deram cobertura externa enquanto os comparsas promoviam o arrastão dentro da unidade de saúde. A cantina e o guichê da empresa que explora o estacionamento do hospital também foram roubados, ainda segundo o comerciante.

Pacientes e funcionários de hospital viveram noite de tensãoOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Os marginais recolheram das vítimas relógios, celulares, carteiras, bolsa e dinheiro. O comerciante e outras duas pessoas não foram roubadas porque uma vítima foi flagrada por um dos bandidos tentando esconder R$ 1.900, o que desviou a atenção do criminoso.

'Os caras eram violentos'

Uma motociclista de 35 anos, que estava em atendimento, disse que ela e outros pacientes conseguiram esconder seus pertences antes que o grupo chegasse as salas da emergência. Moradora de Cascadura, ela disse que pelo menos uma mulher participou do arrastão. Ela confirmou que os criminosos tinham idades entre 14 e 20 anos. O momento de maior tensão ocorreu quando um homem não quis entregar o telefone celular.

Muitos acompanhantes de pacientes passaram mal e tiveram que ser medicadosOsvaldo Praddo / Agência O Dia

"Todos imploraram para ele entregar. Os caras eram violentos. Nunca passei por isso. Roubar as pessoas dentro de um hospital é demais. Cascadura está largado. Está tendo muito assalto aqui na região", criticou a motociclista, se dizendo ainda trêmula com a ação dos criminosos.

A vítima aproveitou para relembrar o caso da advogada Ângela Neves Martins, de 55 anos. Ela foi morta dentro de casa, no dia 27 de janeiro. Bandidos foram surpreendidos dentro da casa da vítima, na Rua Barão do Bananal, no vizinho bairro de Cavalcanti. Ângela levou um tiro nas costas. Ela ainda foi socorrida no mesmo Norte D´Or, mas não resistiu. O hospital fica a dois quilômetros do local do crime.

Vítima teve prejuízo de mais de R$ 4 mil

De acordo com um policial da 28ª DP (Campinho), 12 pessoas registraram queixa de roubo. Um segurança, um vigilante e uma recepcionista compareceram para informar o roubo de três radiotransmissores do hospital que eles usavam em serviço. O celular da mulher também foi levado. Uma paciente teve um tablet roubado.

As vítimas contaram em depoimento que seis homens armados invadiram a recepção da emergência e praticaram os roubos. A ação teria durado cerca de sete minutos. Ninguém foi agredido e os marginais fugiram em um Siena preto.

Ainda segundo o inspetor, um homem que buscou atendimento no hospital teve um prejuízo de R$ 4.350. Os bandidos levaram R$ 1 mil em dinheiro, uma carteira da marca Victor Hugo de R$ 650 e um relógio Tissot, avaliado em R$ 2.700. Nada do hospital foi levado, segundo a polícia. Um advogado do Norte DO´r esteve na delegacia. Segundo a administração, imagens da ação foram captadas e serão entregues a Polícia Civil. A delegacia abriu inquérito para apurar o arrastão no hospital. 

"Possivelmente esses bandidos deram uma resposta às ações que a polícia fez ontem em 12 locais controlados por essa facção criminosas. Nós é que acabamos sofrendo com essa política de espreme nos morros e respinga aqui embaixo, no asfalto", criticou o comerciante de 44 anos.

Em nota, o Norte DO´r informou que “está solidário aos pacientes e lamenta profundamente o ocorrido” e que está contribuindo com a polícia nas investigações.

PM morto em assalto a lotérica em Quintino

No dia 5 de novembro do ano passado, o subtenente Claudio Tavares da Silva, de 46 anos, foi morto dentro de uma casa lotérica na esquina da Avenida Dom Hélder Câmara com a Rua Garcia, em Quintino, na mesma região. Segundo a PM, o militar estava em uma fila no estabelecimento quando tentou impedir que uma pessoa assaltasse um cliente. Lotado no 20º BPM (Mesquita), ele levou dois tiros. Um deles na cabeça.

Você pode gostar