Polícia: Explosivo que atingiu cinegrafista não foi lançado por PMs

Suspeito já foi identificado pela polícia

Por O Dia

Rio - Em coletiva na tarde desta sexta-feira, o delegado Maurício Luciano de Almeida, da 17ª DP (São Cristóvão), afirmou que o explosivo que atingiu o cinegrafista Santiago Andrade não foi lançado por policiais militares. Santiago foi alvejado na cabeça durante o protesto contra o aumento das passagens de ônibus na Central do Brasil, nesta quinta-feira. O suspeito que disparou o rojão ou treme-terra já foi identificado e pode pegar até 35 anos de prisão por tentativa de homicídio qualificado e crime de explosão, por colocar outras pessoas em risco.

Técnicos fizeram testes com explosivos na Cidade da Polícia e chegaram à conclusão que o artefato utilizado foi um rojão ou treme-terra.

Técnicos fizeram testes e chegaram à conclusão que explosivo que atingiu cinegrafista é um rojãoReprodução

"Sim, o artefato foi lançado por um manifestante. Temos convicção que não foi disparado por forças de segurança", disse Almeida. O objeto, ainda de acordo com o delegado, foi lançado a uma distância de três metros contra o cinegrafista, que está internado em estado muito grave no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. 

"O rojão é vendido livremente em qualquer casa de fogos de artifício, a única restrição para adquirí-lo é ser maior de 18 anos. Porém, para o uso, tem que ter uma autorização da Divisão de Fiscalização de Armas Explosivas (DFAE), da Polícia Civil, além de ter que ser lançado com uma vara e a uma distância de 30 metros e nunca em áreas de grande aglomeração", completou o delegado.

O foguete, segundo o inspetor e técnico em explosivos Elligton Cacella, do Esquadrão Antibombas, foi lançado a três metros de Santiago. "Ele foi acionado totalmente fora dos padrões de segurança", disse Cacella. 

Cinegrafista é atingido por artefatoReprodução Internet

Os agentes analisam imagens de câmeras da CET-Rio, da SuperVia, do Comando Militar do Leste, de outros cinegrafistas e da câmera do próprio Santiago. Fotógrafos e jornalistas que viram o disparo também serão chamados para prestar depoimento. Segundo os agentes, é comum que o artefato seja apreendido nas manifestações.

Perícia em local de explosão

O esquadrão antibombas realizou, no início da tarde desta sexta-feira, perícia no local onde o cinegrafista foi atingido. A equipe recolheu fragmentos encontrados nas proximidades da Central do Brasil, que serão submetidos à análise para averiguar se o material é compatível com alguma espécie de bomba. 

"Estamos com as imagens e vamos ouvir pessoas da mídia para tentar, a partir daí, descobrir que tipo de artefato foi jogado e por quem foi jogado", disse o novo chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso.

Tumulto durante protesto na Central do Brasil. Manifestantes quebram catracas em estação de tremLeitor Bruno Silva

Segundo Maurício Luciano, tudo aponta que tenha sido fogos de artifícios que provocou os ferimentos no profissional. O delegado afirmou que vai convocar o fotógrafo que teria visto o momento do lançamento por um manifestante e a jornalista que trabalhava junto com o cinegrafista no momento da explosão para prestarem depoimento. "Imagens de câmeras de seguranças próximas ao local onde ocorreu o acidente já foram solicitadas", disse ele.

Vídeo flagra socorro a cinegrafista ferido em protesto

Um vídeo divulgado pela britânica BBC flagra o momento em que um cinegrafista da Band foi ferido por uma bomba. O repórter Wyre Davies e o cinegrafista Chuck Tayman, ambos da TV inglesa, socorreram Santiago. Ainda não é possível saber se a vítima foi atingida por uma bomba caseira ou por uma bomba de gás lacrimogênio. Nas imagens, é possível ver uma mulher segurando um rojão perto da vítima logo após o incidente.

Santiago foi levado para o Hospital Souza Aguiar e submetido a uma cirurgia de quatro horas, que terminou no fim da noite. Ele sofreu afundamento de crânio. Dois drenos foram colocados na cabeça do profissional da Bandeirantes para diminuir a pressão craniana. Ele está em coma no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do hospital. Parentes estiveram na unidade até o início da madrugada desta sexta-feira.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou uma nota de repúdio ao ataque sofrido pelo cinegrafista da Band. Em 2013, 114 profissionais da imprensa foram feridos durante a cobertura de protestos.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), outras seis pessoas ficaram feridos feridas no protesto. Um homem também permanece internado em observação no Souza Aguiar. Ele não teve o nome informado. Cinco mulheres foram liberadas. Cerca de 30 pessoas foram detidas.

Dilma mostrou solidariedade

A presidenta Dilma Rousseff demonstrou, nesta sexta-feira, solidariedade Santiago Andrade pelo Twitter.

Últimas de Rio De Janeiro