'Deus não nos criou para matarmos uns aos outros', diz Dom Orani em velório

Arcebispo do Rio celebrou a cerimônia de despedida do corpo do cinegrafista Santiago Andrade no Cemitério Memorial do Carmo, no Caju

Por O Dia

Rio - A cerimônia de despedida do corpo do cinegrafista Santiago Andrade, realizada na manhã desta quinta-feira no Cemitério Memorial do Carmo, foi celebrada pelo arcebispo do Rio Dom Orani Tempesta. Durante as homenagens, Dom Orani disse que a população que quer o bem, precisa semear o bem. O velório que ficou aberto ao público das 7h às 11h, ficou retrito para a família depois desse horário. Por volta das 11h30 o corpo de Santiago foi levado para a sala de cremação. 

"Deus não nos criou para matarmos uns aos outros, mesmo que haja divergências de opiniões. Acreditamos que o bem é maior que o mal. Mesmo quem não acredita em Deus, sabe que fazendo o bem seremos mais felizes", disse. 

>>> GALERIA: Confira as fotos do velório do cinegrafista Santiago Andrade

Arcebispo do Rio Dom Orani Tempesta comparece a velório do cinegrafista Santiago AndradeSeverino Silva / Agência O Dia

Visivelmente emocionada, a esposa de Santiago Andrade, Arlita Andrade, falou para a imprensa durante o velório do cinegrafista. Ela mandou um recado para Caio Silva de Souza e Fabio Raposo, apontados como autor e co-autor da ação que culminou na morte de Santiago, na última quinta-feira. O cinegrafista foi atingido por um rojão acendido por Caio e teve morte cerebral na segunda-feira.

"Gostaria de falar duas coisas para esses dois rapazes. Que tenho muita pena deles, pois não tiveram um bem maior que nós temos, que é o amor ao próximo. Isso ninguém ensinou a eles", desabafou.

A esposa do cinegrafista também revelou sonhar com uma sociedade mais justa e onde a violência não seja método para se chegar a qualquer objetivo. "Somos todos irmãos, somos todos do mesmo país. Então temos que ser unidos. Já pensou se todo mundo mudasse essa consciência? Tirasse a violência e fosse cada vez mais amigo um do outro? Seria maravilhoso. Todo mundo teria que ter orgulho da gente. Isso que eu quero pedir, que todo mundo tenha paz e que sejamos mais amigos, mais tranquilos e tenhamos amor um pelo outro. Através desse amor que vamos fazer um Brasil bem diferente", disse.

A filha de Santiago, Vanessa Andrade de 29 anos, pediu que a Band dê exemplo de segurança para todos os jornalistas e que a morte de seu pai não tenha sido em vão. "Iremos até o fim, o nome dele não será esquecido", desabafou. 

Esposa de Santiago Andrade chegou ao velório do marido usando uma camisa do FlamengoSeverino Silva

Amigos e familiares prestaram homenagens

Às 8h30, familiares de Santiago chegaram ao local, todos vestidos com camisa do Flamengo, time de coração do profissional. A da esposa do profissional da Rede Bandeirantes havia a inscrição "Santiago, sempre te amarei". Em cima do caixão, há bandeira do clube e uma miniatura de uma câmera em um tripé.

Já colegas da emissora em que trabalhava utilizavam uma camisa com uma charge feita por Celso Mathias em homenagem ao cinegrafista. Na parte de trás, está estampada a frase "Poderia ter sido com qualquer um de nós".

Amigos de profissão de Santiago Andrade estiveram presentes em seu velório%2C no CajuSeverino Silva / Agência O Dia

O repórter Alexandre Tortoriello, que ganhou o prêmio Mobilidade Urbana com o amigo Santiago em 2010 e 2011, falou da tristeza que todos estão passando pela perda, mas disse que o ódio não pode prevalecer. "Todo jornalista nesse momento está atingido. Santiago sempre usou a profissão dele para construir um mundo melhor, não para destruir. É muito difícil, mas que possamos fazer um jornalismo não com o fígado e sim com a cabeça. Nós não queremos vingança, mas sim que a pena dele (Caio) seja justa".

Tortoriello também espera que a tragédia ajude a conscientizar os manifestantes que agem de forma violenta nos atos. "Que isso sirva de exemplo para quem acha que para mudar o mundo é preciso levar para a rua paus e pedras".

Diretor de jornalismo da Bandeirantes: 'Há uma irracionalidade e desordem absurdas'

Também esteve presente no velório de Santiago Andrade o diretor nacional de jornalismo da Bandeirantes, o jornalista Fernando Mitre. Ele falou sobre o contexto dos protestos que acontecem no Rio e que, até pouco tempo, havia naturalidade no olhar sobre eles. "Há uma irracionalidade e desordem absurdas. Isso todo mundo vê, mas durante um certo tempo vimos isso com uma naturalidade que não é adequada. Você não pode imaginar que um grupo de mascarados seja visto como representante de algo legitimo".

Santiago sofreu afundamento de crânio, foi submetido à cirurgia e ficou quatro dias internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Municipal Souza Aguiar. A família do cinegrafista autorizou a doação dos órgãos. Caio Silva de Souza, 22 anos, apontado como a pessoa que acendeu o artefato que atingiu Santiago, foi preso nesta quarta-feira em Feira de Santana, na Bahia.

Profissionais da imprensa se emocionam na cobertura do velório do cinegrafista Santiago AndradeSeverino Silva / Agência O Dia


Últimas de Rio De Janeiro