Rio de Paz homenageia cinegrafista da Bandeirantes na orla de Copacabana

Cruz de pano preto de 25 metros, faixa e uma câmera em um tripé voltada para baixo foram colocados na areia da praia

Por O Dia

Rio - O Rio amanheceu nesta quinta-feira com uma homenagem na Praia de Copacabana ao cinegrafista Santiago Ilídio Andrade, da TV Bandeirantes, que morreu na segunda-feira após ser atingido por na cabeça por um rojão durante a cobertura de uma manifestação contra o aumento das passagens de ônibus há uma semana, no Centro do Rio. Uma cruz de pano preto de 25 metros foi estendida e uma faixa foi fincada na areia pelo movimento Rio de Paz, na altura da Avenida Prado Júnior. O corpo do profissional será cremado no Cemitério do Caju nesta quinta.

Simbolicamente uma câmera em um tripé apontada para baixo, simbolizando o fim da atividade profissional do cinegrafista foi colocada entre a cruz e a faixa com os dizeres "Santiago Andrade: em memória de quem morreu no exercício da profissão de valor indispensável para a democracia".

Rio de Paz presta homenagem ao cinegrafista da BandOsvaldo Praddo / Agência O Dia

"A câmera virada para baixo simboliza a última visão dele (Santiago). É uma homenagem nossa à família, a TV Bandeirantes e toda a imprensa que cobre o Rio de Janeiro", explicou Gregório Dotorovici, coordenador do Rio de Paz. Ele revelou que o profissional participou da cobertura de vários atos públicos do movimento.

A morte de Santiago Andrade deixou também um sentimento de revolta e indignação em quem passava pelo calçadão de Copacabana no início da manhã.

"É o segundo cinegrafista da Bandeirantes que morre nessa guerra urbana. Isso é uma covardia o que aconteceu com o Santiago. Eles (black blocs) querem aparecer muito. Trabalhava perto da loja de roupas que eles depredaram no Leblon. Quebraram tudinho", lembrou o oficial de rebaixamento Cícero Antonio da Silva, de 53 anos, se referindo a manifestação contra o governador Sérgio Cabral, no dia 17 de julho do ano passado, que terminou em quebra-quebra no tradicional bairro da Zona Sul.

Para Antônio Carlos da Costa, presidente do Rio de Paz, a morte do Santiago foi um duro golpe no trabalho das instituições que dependem da imprensa para dar visibilidade às suas causas.

Santiago Andrade morreu na última segunda-feira%2C após ficar quatro dias internadoOsvaldo Praddo / Agência O Dia

"Esperamos que essa morte desperte a sociedade civil e o poder público para a importância de se oferecer condições seguras de trabalho para profissionais cujo exercício da profissão é uma das principais salvaguardas da democracia", disse.

Em nota, o Rio de Paz enfatizou que "para atingir qualquer mudança que a sociedade brasileira queira alcançar através das manifestações de rua, a presença da imprensa é essencial, uma vez que é ela que dá visibilidade às causas defendidas pelo povo".

Funcionários da TV Bandeirantes são aguardados na orla de Copacabana a partir das 13h para homenagear o colega no local. O Rio de Paz também enviou uma coroa de flores para o velório do cinegrafista, que ocorre até às 11h. A cremação ocorrerá depois somente com a presença da família.

Últimas de Rio De Janeiro