Por thiago.antunes

Rio - Imagens de câmeras de segurança e de trânsito são, por enquanto, as únicas pistas que a Divisão de Homicídios (DH) tem para esclarecer o assassinato do mestre de luta-livre Carlos Alberto Brunocilla, de 60 anos. Ele foi executado na madrugada de domingo ao deixar a quadra da União da Ilha do Governador, na Estrada do Galeão, onde assistia ao ensaio da agremiação em companhia de amigos.

Brunocilla%2C de 60 anos%2C curtiu ensaio em camarote horas antes do crimeReprodução

Brunocilla foi atingido por vários tiros, disparados por pelo menos três homens, quando estava em seu carro, uma Pajero Dakar preta, que era dirigido por José Edson de Mello, 43, motorista do lutador. José foi atingido na boca, está internado no Hospital Municipal Evandro Freire e ainda não depôs. A DH já ouviu duas testemunhas, e ambas afirmaram que o lutador, considerado uma lenda da modalidade no Brasil, não tinha inimigos nem sofria ameaças.

Uma das testemunhas contou que Brunocilla trabalhava como corretor de imóveis e formava atletas na Federação Brunocilla de Luta-Livre Tradicional. Um amigo, que acompanhava o lutador no ensaio, disse que eles estavam com várias mulheres em um camarote na quadra e que não notou problema naquela noite que pudesse justificar o crime, como cena de ciúmes, por exemplo. O enterro ocorreu terça-feira no Cemitério do Catumbi. Dezenas de alunos de Brunocilla vieram de vários estados do Brasil para homenagear o homem considerado patriarca da luta-livre no país.

Aulas para discípulos famosos

Carlos Alberto Brunocilla era filho do também lendário Fausto Brunocilla, considerado o maior discípulo de Tatu, criador da luta-livre esportiva. Carlos foi o mestre de nomes como Hugo Duarte, Eugênio Tadeu, Marco Ruas e Alexandre Cacareco. 

A Federação Brunocilla de Luta-Livre Tradicional emitiu uma nota lamentando o ocorrido. “Perdemos nosso líder maior. Nossa caminhada se tornará mais difícil, mas, em honra do seu nome, continuaremos! Descanse em paz, Carlos Alberto Brunocilla”, diz o comunicado da federação.

Você pode gostar