Substância de banheiro químico provocou interdição de praia em Búzios

Inea e prefeitura investigam se produto químico vazou de navio que estava ancorado na Praia da Tartaruga

Por O Dia

Rio - Uma substância usada em banheiros químicos provocou a interdição da Praia da Tartaruga, no município de Armação de Búzios, na Região dos Lagos. A informação é da prefeitura do município e do Instituto Estadual do Ambiente (Inea). A mancha deixada no mar, tem 200 metros de extensão por 40 de largura e, segundo informações preliminares, o produto químico pode ter sido liberado por um navio que estava ancorado na praia.

Praia foi interditada e 60 pessoas estão internadasFernando Souza / Agência O Dia

Na manhã dessa sexta-feira, o Inea colheu mais amostras da água, que serão analisadas em caráter de urgência e que tem previsão de laudo técnico conclusivo para a próxima quarta-feira. O incidente afetou 60 pessoas, que foram internadas no Hospital Municipal Dr. Rodolpho Perrissé, entre a noite desta quinta-feira até a manhã desta sexta. Se for constatada a contaminação do material usado pelo naviooo, a empresa será acionada com penalidades cabíveis ao caso.

Do total de banhistas que teriam sinalizado mal-estar, pouco mais de 20 deram entrada no hospital. Os pacientes apresentaram sintomas como irritação nos olhos (conjuntivite química), além de lesões na pele e nas vias aéreas. Do total de atendidos, apenas cinco pacientes, com sintomas de conjunvitive mais profunda, precisaram ser encaminhados para o Hospital Regional de Araruama, a fim de serem atendidos por especialistas na área. De acordo com a direção da unidade hospitalar, os banhistas permanecem em observação.

Praia ficou interditadaFernando Souza / Agência O Dia

Por precaução, em princípio, apenas a Praia da Tartaruga, das 23 praias da cidade, está com o seu acesso interditada para banho. A prefeitura realiza, ainda, trabalho de conscientização com os quiosqueiros e moradores do local até que seja apontada a causa do incidente. Nesse sábado, técnicos da Secretaria de Meio Ambiente irão novamente ao local para avaliar a situação, já que nesse caso, a substância química em questão se decompõe rapidamente e é muito volátil. 

Últimas de Rio De Janeiro