Por paulo.gomes

Rio - O policial militar reformado, Jorge Magalhães, 63 anos, teve morte cerebral confirmada pela direção do Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, Zona Norte. Ele foi baleado na última segunda-feira quando reagiu a um assalto a um ônibus com destino a Maricá, Região Metropolitana, que no momento do crime trafegava pela Ponte Rio-Niterói.

O ônibus da Viação Nossa Senhora do Amparo, com 60 passageiros, saiu do Castelo, no Centro do Rio, por volta das 18h30, com destino a Itaipuaçu, em Maricá, na Região Metropolitana. Os dois suspeitos, que se tratavam por Patinho e Azulão, embarcaram no veículo na Rodoviária Novo Rio e anunciaram o assalto após o coletivo passar pelo posto da Polícai Rodoviária Federal na entrada da Ponte Rio-Niterói.

As marcas de sangue ficaram no ônibus após o subtenente reformado da PM%2C Jorge Magalhães ter sido baleado durante assaltoOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Viação onde PM foi baleado teve sete assaltos

Apesar de já ter em mãos imagens de sete assaltos sofridos pelos ônibus da Viação Nossa Senhora do Amparo apenas neste ano, até o momento a polícia ainda não conseguiu identificar nenhum dos bandidos. Os sete assaltos aconteceram em três das linhas regulares da Viação. O último foi na Castelo-Maricá, na última segunda-feira.

A Polícia Civil foi procurada pelo DIA para informar sobre as investigações relacionadas aos sete assaltos a ônibus da Nossa Senhora do Amparo. Segundo Bárbara Caetano, supervisora da Viação, as imagens dos bandidos, registradas pelas câmeras internas nos ônibus, foram encaminhadas para as delegacias.

As imagens do assalto na linha Rio-Maricá já estão nas mãos dos policiais na delegaciaReprodução

Inicialmente, a Polícia Civil pediu que o DIA descobrisse os números dos Registros de Ocorrências para que as quatro delegacias pudessem localizar os casos — a alegação foi a de que os chefes das investigações não lembrariam deles, mesmo eles tendo ocorrido recentemente.

Segundo a polícia, nenhum dos bandidos filmados foi identificado até agora e, por isso mesmo, não há ordem de prisão para eles.

Por outro lado, a Secretaria de Segurança Pública ainda não sabe explicar o motivo que teria causado a demora no atendimento do serviço de emergência 190 no caso do assalto ao ônibus em que o PM foi baleado. Segundo o DIA apurou, há uma diferença de 22 minutos entre o tempo em que a viação afirma ter tentado entrar em contato com o serviço — 19h27 — e o que ele efetivamente foi feito — 19h49. A secretaria garante que a PM entrou em ação assim que foi comunicada pelo serviço.

Os dois bandidos permaneceram cerca de uma hora mantendo 60 pessoas como reféns e atiraram friamente na cabeça do PM reformado. A empresa mantém sistema de GPS no ônibus roubado e com isso acompanhou, em tempo real, o deslocamento do carro. Caso o contato tivesse sido estabelecido, haveria mais chance de se preparar uma operação de abordagem, o que evitaria o ataque ao policial, baleado ao tentar reagir.

Início às 19H27

A empresa afirmou que, a partir das 19h27, um funcionário começou a tentar acionar o 190, mas que as primeiras tentativas foram inúteis. Segundo a secretaria, as duas primeiras ligações comunicando o roubo foram recebidas às 19h49. Houve uma terceira, às 19h51. O órgão não informou quais desses telefonemas foram dados pela empresa.

Investigações

78ª DP (Fonseca) - As investigações sobre o assalto estão em andamento. Todos os procedimentos estão sendo adotados para identificar a autoria do crime. No momento o delegado prefere não divulgar mais informações para não atrapalhar o andamento das investigações.

17ª DP (S. Cristóvão) - O caso do assalto de anteontem foi transferido para lá. As investigações estão em andamento, diz a polícia. Vítimas e funcionários estão sendo chamados para prestar depoimento e as imagens, solicitadas à empresa.

82ª DP (Maricá) - O motorista foi assaltado por uma mulher, que estava com um punhal e levou R$ 250 que estavam com ele. A vítima prestou depoimento. Os agentes aguardam a chegada de imagens de câmeras de segurança do coletivo, que já foram solicitadas à empresa. As investigações estão em andamento.

75ª DP (Rio D'Ouro) - O roubo está sendo investigado. Imagens das câmeras de segurança já foram solicitadas. O cobrador e motorista não apareceram para depor.

Você pode gostar