Por bferreira

Rio - Os bombeiros que sobraram no PT e no PMDB contam com duas vindas de Dilma Rousseff ao Rio para diminuir a tensão entre os dois partidos. Em maio, ela participará, com Eduardo Paes e Pezão, da inauguração da Transcarioca, corredor BRT que ligará a Barra ao Aeroporto do Galeão.

Depois, a presidenta voltará para entregar o Arco Metropolitano, obra tocada pelo amigo Pezão que, em abril, assumirá o governo. A boa relação entre dois representa uma das poucas esperanças de paz.

TV Dilma

Em sua passagem pelo Rio, Rui Falcão, presidente nacional do PT, deu esperanças aos outros candidatos aliados ao governo: Garotinho, Crivella e, pelo menos até agora, Pezão. Disse que, se Dilma autorizar, todos poderão usar sua imagem na TV.

Dono da bola

Em tese, apenas o petista Lindbergh Farias poderia aparecer na TV ao lado da presidenta.

No bolso

Washington Quaquá, presidente do PT-RJ e prefeito de Maricá, disse ao Informe que, com a saída do partido do governo Cabral, não havia mais “petistas no bolso do Picciani (presidente do PMDB-RJ)”. Diante do susto do repórter (“No bolso, prefeito?”), ele explicou: “No bolso do colete, por conta dos cargos que o PT tinha no governo.”

Você pode gostar