Por thiago.antunes

Rio - A Polícia Militar reforçou o patrulhamento no Itanhangá, onde, na madrugada de quarta-feira, três bandidos invadiram a casa de Letícia Spiller e a fizeram refém com a família. Segundo a Polícia Civil, os bandidos que invadiram o imóvel ainda não foram identificados. O drama da atriz é o mesmo enfrentado por muitos moradores daquela região no entorno da Barra da Tijuca, onde os índices de criminalidade vêm crescendo.

Letícia Spiller teve a casa invadidaAgência O Dia

De acordo com o Instituto de Segurança Pública, o número as ocorrências criminais pularam de 21.060 em 2012 para 24.512 em 2013 na área do 31º BPM (Recreio). Na terça-feira, o produtor cultural Ramon Mello, de 25, e a publicitária Nina Gordillo, de 22, foram assaltados por cinco bandidos armados na Rua das Palmeiras, no Recreio.

A população se queixa do baixo efetivo do batalhão, que tem 369 homens para proteger 174 quilômetros quadrados. A área engloba, além da Barra, Recreio e Itanhangá, Joá, Camorim, Vargens Grande e Pequena, Barra de Guaratiba e Grumari. Nessa região, há cerca de 500 mil habitantes. 

“Durante o dia, atuam 75 PMs nas ruas, ou seja, um policial para 6,6 mil cidadãos”, critica o diretor do Conselho de Segurança local, Cléo Pagliosa. Especialistas dizem que o ideal seria um PM para 400 pessoas. O 31º BPM informou ter instituído patrulhas com motos e aumentou revistas em veículos.

Você pode gostar