Por thiago.antunes

?Rio - O que era para ser um pátio de veículos virou um amontoado de carros. Em um posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na Via Dutra, altura de São João de Meriti, o espaço reservado para receber no máximo 40 automóveis está com o triplo da capacidade. Alguns veículos estão por lá há mais de dez anos. Diante do problema, a PRF mudou até a prática nas fiscalizações: em vez de rebocar os automóveis irregulares, os agentes apreendem o documento do motorista.

A crise da superlotação de veículos no posto da Via Dutra começou em meados do ano passado, quando o convênio entre a PRF e o Detran foi expirado. Naquela época, os carros irregulares apreendidos em fiscalizações eram levados para os depósitos estaduais. “Quando o Detran era nosso parceiro, só trazíamos os carros envolvidos em acidente. Mas, com o fim do convênio, fomos obrigados a trazer todos os veículos para o nosso pátio. E agora não tem mais espaço para nada”, diz André Ramos, chefe substituto operacional da 1ª delegacia da PRF.

Em um posto da Polícia Rodoviária%2C na Via Dutra%2C na altura de S. J. de Meriti%2C carros e ônibus amontoados e até empilhados lotam o pátio destinado a veículos apreendidosAngelo Antônio Duarte / Agência O Dia

Para André, a crise se tornou ainda maior porque os motoristas não vão até o posto recuperar o veículo. “A cada dez veículos que trazemos para cá, somente três são retirados pelos condutores. O resto acaba abandonado mesmo, e nós não podemos fazer nada porque os carros têm dono e a lei não permite leilões”, acrescenta o chefe operacional.

O cenário no entorno do posto assusta. Mais de 20 carros de passeio, oriundos de acidentes de trânsito, se espremem na calçada com ônibus e caminhões apreendidos. Um coletivo da linha 500 (Mesquita- Passeio), da empresa Transmil, está depositado no posto há sete meses, por problemas no licenciamento.

Na área que realmente seria destinada para abrigar os automóveis, ao lado do posto, há mais de cem veículos, quando deveria caber a metade. Diversos carros, principalmente os que viraram sucata de tão velhos, precisaram ser empilhados.

Um carro foi parar em cima do muro%3A capacidade é de 40 veículos%2C mas há o triplo disso em posto da DutraAngelo Antônio Duarte / Agência O Dia

De acordo com a PRF, o problema de superlotação em postos acontece em vários estados, já que o convênio com o Detran é único e atende a todo país. Uma comissão nacional foi criada no início deste ano em Brasília para tratar do assunto. No entanto, a Polícia Rodoviária ainda não tem previsão de restabelecer o convênio.

No posto da PRF na Rodovia Washington Luiz, na altura de Saracuruna, o problema se repete. A área que serviria de estacionamento para viaturas, virou depósito de mais de 150 carros. Até carcaça de automóvel está estacionada por lá. “Queríamos construir um heliporto aqui mas com essa quantidade de carro não dá”, diz o chefe operacional André Ramos.

De olho no golpe do seguro, em que motoristas se aproveitam de acidentes para comunicar à seguradora que foi vítima de roubo, a PRF faz mensalmente a triagem dos os veículos em seus postos. “Já descobrimos vários casos que o condutor deu parte na polícia dizendo que foi roubado, quando o carro dele estava aqui”, conta André Ramos. A Polícia Rodoviária também mantem contato direto com a Polícia Civil para casos reais de roubo.

Jeitinho

Para evitar a entrada de mais veículos nos postos que estão com superlotação, agentes da Polícia Rodoviária Federal estão sendo orientados a apenas apreender a documentação do condutor, que recebe uma autorização para seguir viagem.

“O Código Nacional de Trânsito nos permite fazer isso. Em caso de pneu careca, por exemplo, não apreendemos o carro, retemos a habilitação do motorista. Por lei, o motorista tem até cinco dias para apresentar o veículo nas condições exigidas”, explica André Ramos, chefe substituto operacional da 1ª delegacia da PRF.

A exceção é para casos graves. Diante de casos de motoristas sem habilitação ou de carros em péssimo estado, não tem jeito, o veículo é levado para os postos.

Você pode gostar