Por bianca.lobianco

Rio - O governador Sérgio Cabral está reunido, na manhã desta segunda-feira, com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi; o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, além do comandante-geral da Polícia Militar (PM), coronel Luís Castro de Menezes, e o chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso.

A reunião, que  começou por volta das 11h, no Centro Integrado de Comendo e Controle (CICC), definirá as ações que serão implementadas pela segurança pública do Rio no combate ao crime organizado. O efetivo e quais tropas que ocuparão as comunidades serão definidos durante a reunião da cúpula de Segurança.

A ocupação do Bope em diversas comunidades dominadas por facções criminosas deve permanecer por tempo indeterminado devido aos ataques às bases de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). 

Porta-voz da PM relata operações policiais

No sábado, o porta-voz da PM, tenente-coronel Cláudio Costa, em vídeo, relatou as operações policiais que estão sendo feitas desde a noite da última sexta-feira na capital fluminense. 

Ele disse que as comunidades do Parque União e Nova Holanda, no conjunto de favelas da Maré, Complexo de Manguinhos, e os morros do Juramento e Juramentinho, em Vicente de Carvalho, Para Pedro, no bairro de Colégio, e Chapadão, em Costa Barros, ficarão ocupadas por tempo indeterminado.

Segundo o tenente-coronel Cláudio Costa, essas comunidades estão dominadas por uma determinada facção criminosa que vem atacando as unidades de Polícia Pacificadora e que o governo não irá recuar na política de pacificação. Ele convocou a população a "ajudar no combate aos criminosos por meio de denúncias sobre localização de bandidos, armas e drogas".

Você pode gostar