Por bianca.lobianco

Rio - O juízo da 35ª Vara Criminal da Capital retoma nesta quarta, às 13h, a audiência de instrução e julgamento (AIJ) dos 25 policiais militares acusados de terem torturado e desaparecido com o corpo do ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza, na Favela da Rocinha, Zona Sul do Rio. A AIJ será na sala da Central de Assessoramento Criminal (CAC), no 4º andar do Fórum Central.

Esta será a quarta audiência. O juízo vai ouvir pelo menos seis testemunhas arroladas pela defesa. Passada essa fase, começará o interrogatório dos réus.

Relembre o caso

De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público, o ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza teria sido levado por policiais militares para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no dia 14 de julho do ano passado. Ainda segundo o MP, outros PMs são acusados de participar da ação por terem vigiado ao redor da base ou por não terem impedido os supostos atos de tortura contra Amarildo. Os policiais militares também são suspeitos de ter desaparecido com o corpo do ajudante de pedreiro.

Vídeo: Filho de Amarildo faz ameaça a PMs na Rocinha

Um vídeo gravado na comunidade da Rocinha mostra o filho de Amarildo, Emerson Gomes da Silva, de 21 anos, visivelmente alterado. Nas imagens, o jovem diz que "vai morrer polícia", fazendo uma ameaça aos PMs da UPP. Em seguida, ele lembra do sumiço do pai, ocorrido em julho do ano passado, e afirma que caso seja preso, em pouco tempo sairá da cadeia.

Depois da declaração, o filho do ajudante de pedreiro começa a jogar sacos de lixo no meio da rua, onde passava veículos e motos, interrompendo o tráfego. Novamente o jovem se volta para a pessoa que está gravando e faz mais provocações.

"Tá bom pra você? Você quer ser preso por desacato ou quer ir embora?", diz a pessoa que filmava a ação. O jovem responde imediatamente: "Pode me prender por desacato, eu vou voltar", afirma com convicção.

Momentos depois a tela fica preta e vozes são ouvidas. "Tá tudo filmado, babaca! Senta aí, cara. Senta aí! Fica quietinho aí, vai voltar nada!"

Em outro vídeo, após a detenção do jovem, Elizabeth de Souza, viúva e mãe do filho de Amarildo, chega em frente à UPP e protesta. "É a família do Amarildo, vocês não podem mexer com essa família. Vai cair na conta de vocês! Sumiram com o pai e agora vão sumir com o filho?", grita ela pedindo a liberdade do jovem.

Testemunhas da abordagem, entretanto, disseram que Emerson foi provocado pelos policiais ao falar sobre o caso da tortura e morte do pai dele com um amigo. Os PMs teriam respondido que “traficante tinha que morrer mesmo e que ele era o próximo”.

Em nota, a UPP Rocinha informou que Emerson foi detido por volta das 7h desta segunda-feira por desacato, desobediência e injúria. O filho de Amarildo já está novamente em liberdade.

"Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, que faziam o policiamento na localidade conhecida como Via Ápia no interior da comunidade foram alvos de agressões verbais e ameaças, por parte do morador Emerson Gomes da Silva, de 21 anos. Ao ver os agentes, Emerson ameaçou os policiais e atirou sacos de lixo na Estrada da Gávea impedindo o trânsito na via. Os agentes precisaram intervir e detiveram Ermerson que ofereceu resistência ao ser encaminhado para a 11ª DP (Rocinha) onde o caso foi registrado", diz comunicado.



Você pode gostar