Por camila.borges

Rio - A reconstituição da morte da auxiliar de serviços gerais Cláudia Ferreira da Silva pode ser a única maneira de esclarecer se ela foi vítima de disparos de PMs antes de ser arrastada por cerca de 300 metros pela viatura da corporação. “A reprodução simulada vai nos dar condições técnicas de verificar, estando no teatro da operação, com todos os atores envolvidos, as várias contradições das versões”, afirmou o delegado titular da 29ª DP, Carlos Henrique Machado.

Área dominada pelo tráfico de drogas, o Morro da Congonha, em Madureira, foi tomado pelo medo. Duas novas testemunhas que teriam visto Claudia ser baleada pelos mesmos PMs que a arrastaram pela Avenida Intendente Magalhães não vão depor na 29ª DP, conforme esperava o advogado da família de Claudia, João Tancredo.

“As testemunhas disseram que são rigorosamente os mesmos policiais, porém, afirmam que não têm nenhuma garantia de vida e segurança para familiares. Então, não vão denunciar”, admitiu Tancredo.
Wellington Possidonio, pai do adolescente William dos Santos Possidonio, de 16 anos, também morto durante a operação no mesmo dia que Claudia, também não compareceu à delegacia para reafirmar oficialmente o que disse à imprensa: que seu filho era inovente e foi executado por policiais.

Outra vizinha de Claudia, apesar de dar declarações de que ela foi morta pelos mesmos PMs que levaram o corpo para o hospital, disse em depoimento que não tem como reconhecer os militares. A expectativa da Polícia Civil é que a reconstituição do crime, marcada para a semana que vem, possa esclarecer as contradições sobre o que ocorreu no alto da favela naquela manhã de domingo, dia 16.

Claudia teve o coração e os pulmões dilacerados por um tiro de fuzil. Segundo laudo do IML, ela teria sido arrastada já morta. “Tenho certeza que Claudia foi vítima da guerra do tráfico e os policiais podem tê-la atingido por erro. Eles podem ter tentado socorrer e podem também ter cometido homicídio e fraude processual. E é isto que vamos esclarecer”, ressaltou o delegado.

Você pode gostar