Por thiago.antunes

Rio - A Prefeitura do Rio montou tendas, na noite desta segunda-feira, ao lado da sede administrativa e no estacionamento próximo ao Centro de Operações, para cadastrar desalojados do terreno da Oi, no Engenho Novo, Zona Norte do Rio. Mesmo com a forte chuva que cai na cidade desde a madrugada, uma fila extensa se formou nos arredores. 

Mais cedo, alguns ex-moradores da Favela da Telerj embarcaram em vans da Secretaria de Desenvolvimento Social e devem ser encaminhados para abrigos.

Mesmo com chuva%2C desalojados enfrentaram longas filas para se cadastrar Uanderson Fernandes / Agência O Dia

Prefeitura faz levantamento

Os cerca de 600 ocupantes que permaneciam na sede da Prefeitura do Rio, na Cidade Nova, realizarão cadastros em sedes das subprefeituras mais próximas às suas comunidades. O levantamento será entregue nesta terça-feira em reunião entre a prefeitura e a liga de 10 mulheres que representam os desalojados.

>>> GALERIA: Manifestantes e guardas municipais entram em confronto

O cadastro que vinha sendo feito nas últimas semanas também será apresentado para que possa ser feita uma contraproposta de reassentamento e o pagamento provisório do aluguel social. A decisão foi tomada durante representantes da prefeitura e a liga das 10 mulheres em reunião durante o início da tarde desta segunda-feira.

Os desalojados estão no em frente à prefeitura desde a última sexta-feira, quando o terreno da Oi, no Engenho Novo, Zona Norte, foi ocupado pela Polícia Militar. Eles pedem o reassentamento imediato. Por volta das 10h30 desta segunda-feira os manifestantes fecharam a Avenida Presidente Vargas e houve confronto com os guardas municipais. Os agentes dispararam sprays de pimenta e foram respondidos com pedradas. Mais cedo, eles também já haviam interrompido a avenida.

Manifestantes e usuários do metrô se misturam na passarela da estação Cidade NovaCacau Fernandes / Agência O Dia

Para se proteger da chuva que cai desde o início da manhã desta segunda, no Rio, os antigos ocupantes do terreno da Oi se protegeram na passarela do metrô da Cidade Nova, dificultando a circulação dos passageiros. Integrantes de vários sindicatos e partidos políticos estão no local apoiando a causa.

No fim de semana, a prefeitura chegou a propor um cadastro para que essas pessoas fossem contempladas em algum programa de habitação. No entanto, eles se negaram a deixar o local e a preencher qualquer cadastro sem uma reunião com um representante do governo municipal.

"Cadastro não é garantia de nada. Até hoje moradores do Bumba (em Niterói) esperam suas respostas. O que pedimos é uma reunião com alguma autoridade que nos apresentante um plano de reassentamento", diz Guilherme dos Santos, integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, que apoia a causa.

Você pode gostar