Menor apreendido no Degase corre risco de vida

Segundo família, garoto de 14 anos, que teria sido agredido por guardas ou internos no Centro de Socioeducação Dom Bosco, está no CTI em estado grave

Por O Dia

Rio - Um adolescente de 14 anos, que está internado no Centro de Socioeducação Dom Bosco — antigo Instituto Padre Severino —, deu entrada no Hospital Municipal Evandro Freire, na Ilha do Governador, em estado grave e corre risco de vida. O jovem, segundo a Secretaria municipal de Saúde, chegou à unidade no dia 16, numa cadeira de rodas, se queixando de mal-estar.

E teve convulsão assim que foi atendido. Seu quadro piorou e ele entrou em coma, respirando com a ajuda de aparelhos. No momento, ele está no CTI, lúcido e com pneumonia. Já a família diz que ele recebeu o diagnóstico de edema cerebral, e quer saber o que aconteceu na instituição. O Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) abriu investigação para apurar o caso.

Degase diz que adolescente chegou à unidade de saúde sem lesão aparente. E negou que haja trauma no crânioSeverino Silva / Agência O Dia

Segundo a irmã do adolescente, a auxiliar administrativo Ana Paula Vieira, 24 anos, o garoto foi apreendido no dia 1º de abril, no Leblon, acusado de furto com outros meninos. Foi a primeira vez que o adolescente, que faz o 7 º ano do Ensino Fundamental, foi apreendido. “Quando a minha mãe foi visitá-lo no Dom Bosco, reparou que seu rosto estava inchado. Ela perguntou o que tinha acontecido e, a contragosto, porque eles estavam na presença de uma assistente social, contou que levou tapas no rosto, na cabeça e no peito dos guardas. Na visita seguinte, ele disse que não era verdade”, contou Ana Paula.

O Degase afirma que o adolescente chegou à unidade de saúde sem sangramentos e lesão aparente. E negam que haja trauma no crânio. Ana Paula contou que a família tem outras duas suspeitas, baseadas no que ouviu informalmente de funcionários: o jovem teria ingerido medicamento controlado na cela ou se envolvido numa briga. “Se fosse briga, ele teria hematomas”, afirmou a irmã.

Não foi a primeira vez que o jovem foi levado para o hospital. Dois dias antes de entrar em coma, o garoto foi parar no Evandro Freire com forte dor de cabeça. Após ser medicado, ele foi voltou para a unidade onde estava apreendido. O desembargador do Tribunal de Justiça do Rio, Siro Darlan, lembrou que não é a primeira vez que o Degase é envolvido em casos de violência e maus-tratos. E afirmou que foi comunicado do episódio e vai acompanhar de perto o desfecho.

Últimas de Rio De Janeiro