Morador do Alemão que narrou pacificação pelo Twitter vai a Harvard

Rene Silva falará nos EUA sobre como usou o Twitter para relatar ocupação policial no complexo de favelas

Por O Dia

Rio - Ele foi destaque na imprensa brasileira em 2010, quando usou o Twitter para narrar em tempo real a ocupação policial no Complexo do Alemão. Com 16 anos, na época, havia quem duvidasse de sua competência, mas Rene Silva mostrou que chegou lá. Hoje, aos 20, o morador do Morro do Adeus, em Bonsucesso, e futuro estudante de Jornalismo, com três prêmios no currículo, embarca para a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, com a missão de discursar para uma plateia de 150 pessoas de vários países.

No encontro, que terá a presença de acadêmicos, empresários e representantes de governos, Rene vai falar de sua experiência com o jornal comunitário ‘Voz da Comunidade’, por meio do qual conseguiu atrair visibilidade para o Complexo do Alemão, e sua influência nas redes sociais.

Rene Silva fará palestra em Harvard%2C nos Estados Unidos%2C para acadêmicos%2C empresários e representantes de governo de diversos paísesMaíra Coelho / Agência O Dia

“Vou contar detalhes da ocupação de 2010 e mostrar como a internet foi importante para divulgar a comunidade. Também vou falar da novela ‘Salve Jorge’, que tinha uma redação de jornal inspirada no ‘Voz da Comunidade’ e da qual eu também participei como personagem e fui consultor da Glória (Perez, a autora)”, revela o jovem.

O convite para ser um dos três palestrantes brasileiros em Harvard quase não virou realidade. O organizador do evento, o Berkman Center, enviou um e-mail para Rene em dezembro, mas a mensagem só foi vista pelo jovem em janeiro. “Em janeiro, recebi outra mensagem dizendo que eu tinha dois dias para confirmar a presença. Tomei um baita susto”, relembra.

Inicialmente, a viagem ao país de Barack Obama duraria oito dias, mas, de última hora, Rene recebeu outro convite: ser palestrante em Nova York. “Eu ficaria até o dia 3, mas me procuraram para dar outra palestra. Nem acreditei”, conta Rene, que vai participar de um encontro com empresários na Brazil Foundation, instituição que arrecada fundos para projetos sociais brasileiros. Essa será a terceira viagem internacional do jovem. Em 2012, ele foi para Inglaterra com o Comitê Olímpico Brasileiro para trazer a tocha ao Rio. E, no ano passado, participou de um projeto do Consulado americano sobre jornalismo comunitário, também nos Estados Unidos.

Sobre o futuro, o jovem diz que planeja cursar a faculdade de Comunicação Social — a Escola Superior de Propaganda e Marketing lhe ofereceu bolsa integral — e expandir o conhecimento sobre jornalismo comunitário. Sobre a vida profissional, o ‘Voz da Comunidade’ continua sendo sua prioridade. Desde o incêndio criminoso na sede do AfroReggae, no Alemão, em julho de 2013, quando parte da redação do jornal foi atingida, os esforços são para buscar uma nova sede.


Com Gloria Perez%2C com quem fará nova parceria%3A seriado sobre favelaReprodução Internet

“Ganhamos uma doação da Coca-Cola para construir uma nova redação”, revela Rene, que também já teve experiência como roteirista na Rede Globo até 2013. Para 2014, o jovem deve voltar à telinha em nova parceria com a autora Glória Perez. “Ela fará um seriado sobre favelas e disse que não vai esquecer do Alemão”, encerra.

‘Voz da Comunidade’ inspira uma legião de sucessores

Os nove anos de existência do jornal ‘Voz da Comunidade’ coleciona uma legião de sucessores em outras favelas. Na Mangueirinha, em Duque de Caxias, moradores se juntaram para criar o ‘Voz da Baixada’. “Recebo muitas mensagens de pessoas que resolveram criar projetos onde moram por causa do nosso jornal”, relata Rene.

Lá no Alemão mesmo, um ex-colaborador do ‘Voz da Comunidade’, o Luciano Daniel, de 14 anos, resolveu criar seu próprio jornal, o ‘Alemão Notícias’. “Ele saiu depois de três meses, dizendo que iria montar o jornal dele. Achei o máximo”, completa. O Twitter do ‘Voz da Comunidade’ tem mais de 135 mil seguidores. Lá trabalham 45 pessoas, 15 são repórteres e três são jornalistas formados.

Nova campanha na rede social foi lançada após a morte de DG

Com apenas 20 anos de idade, Rene já carrega no currículo t<CW-1>rês prêmios</CW> e dois títulos. Por conta do sucesso do ‘Voz da Comunidade’, em 2010, o jovem conquistou o prêmio Faz Diferença, do jornal ‘O Globo’, e recebeu a indicação, no ano seguinte, como melhor produtor de conteúdo, no quesito inovação, pela Shorty Awards, considerado o Oscar do Twitter pelo jornal ‘The New York Times’.

A versão digital do jornal%3A mais de 135 mil seguidores no TwitterReprodução

Também em 2011, Rene recebeu o prêmio Jovens Brasileiros, em São Paulo, e a inclusão de seu nome na lista dos 100 brasileiros mais influentes do país, da revista ‘Época’. Em 2012, o rapaz conquistou o Anu, da Central Única das Favelas, por sua atuação no Complexo do Alemão.

Pelo seu perfil no Twitter, em que há mais de 65 mil seguidores, Rene lança diversas campanhas. A mais recente, iniciada na quinta-feira, com a frase ‘Eu não mereço morrer assassinado’, após a morte de Douglas Rafael da Silva, no Pavão-Pavãozinho, de quem era colega, já viralizou. “Tem gente de vários estados participando e mandando fotos com a hashtag”, relata o rapaz.

Últimas de Rio De Janeiro