Moradores de comunidades de Niterói na mira do tráfico

Na guerra de facções, em Niterói, população sofre com ataques, toque de recolher e torturas

Por O Dia

Rio - Com armas em punho e a razão da bala, criminosos de Niterói, Região Metropolitana do Rio, passaram a adotar as ‘leis do tráfico’ para punir o lado mais frágil de uma guerra que se estende há meses. No Centro, um jovem levou facadas nas nádegas e teve a perna quebrada por se envolver com traficantes rivais. Quatro meninas também foram espancadas e tiveram os cabelos raspados pelos mesmo motivos. Já no Fonseca, toque de recolher, barricadas e cobranças por segurança já fazem parte do dia a dia dos moradores.

Além de duelarem entre si, traficantes do Morro do Estado, que estão em guerra declarada há pelo menos duas semanas, voltaram suas armas contra a população. Invadida por um grupo de ex-aliados do Terceiro Comando Puro (TCP), expulso da favela e que agora tenta retomá-la, a comunidade vive dias de tensão. Quem é visto com rivais está sujeito às regras do tráfico.

“O garoto levou três facadas no ânus porque foi visto andando com um bandido que voltou para a favela e participou da guerra de quarta-feira. Ele está internado. Além disso, quatro meninas que também andavam com esse pessoal foram agredidas, rasparam a cabeça delas e ainda dizem que as violentaram”, disse uma moradora.

A Polícia soube do fato por meio da prisão de Alex Sandro Guimarães, de 36 anos. No celular do suspeito havia um vídeo com as cenas de tortura a uma das meninas. Homens armados são vistos nas imagens.
Investigadores da 76ª DP (Centro) tentam agora identificar a vítima para ouvi-la. O jovem, que teve alta ontem do Hospital Estadual Azevedo Lima, também será chamado para depor.

Há pelo menos um mês, quatro criminosos, entre eles Wallace Ribeiro, o ‘Saci’, foram expulsos da comunidade por ordem de Wallace Araújo Torres, o Anão, que está preso, mas comanda a favela. Após a ocupação do Complexo da Maré, o quarteto se uniu a bandidos do Rio e iniciou uma disputa por território na comunidade.

Na última quarta-feira, após intensa troca de tiros, o grupo comandado por ‘Saci’ conseguiu se basear no Morro do Estado. Já o bando de ‘Anão’ e ‘Murra’ se concentrou nas comunidades vizinhas da Chácara e do Arroz.

No Fonseca, situação é delicada

Apesar da distância e do controle de facções distintas, a situação no Fonseca, Zona Norte de Niterói, também é delicada. De acordo com denúncias, traficantes estariam obrigando moradores a pagar por segurança.
Em várias comunidades, o toque de recolher imposto pelos traficantes já faz parte do dia a dia da população. Barricadas também são vistas com frequência em favelas da Zona Norte, assim como criminosos circulando livremente de motos para impedir invasões de bandidos rivais.
Moradores também estariam sendo expulsos de suas casas, e os locais, sendo transformados em pontos de venda de drogas diante da guerra entre as facções CV, TCP e ADA.
Qualquer denúncia pode ser repassada ao Disque Denúncia pelo telefone 2253-1177 ou pelo WhatsApp 96802-1650.

Últimas de Rio De Janeiro