Por bianca.lobianco

Rio - Peemedebistas que aderiram a Aécio Neves (PSDB) têm agora o desafio de fazer com que Pezão, fechado com Dilma Rousseff, faça ao longo da campanha algumas referências elogiosas ao senador mineiro. Aécio não descarta o apoio ao atual governador, mas teme não receber qualquer retribuição.

Em busca deste carinho no tucano, dissidentes do PMDB-RJ já foram falar com Pezão. Alegam que Dilma criou um precedente ao decidir apoiar, no Rio, outros três candidatos: Lindbergh, Garotinho e Crivella.

A data

O lançamento da chapa dissidente ‘Aezão’ (Aécio e Pezão) será em 5 de junho.

Com Dilma

Sexta, Pezão interrompeu uma reunião com militares para insistir, ao telefone, numa vinda de Dilma, amanhã, ao Rio. Ressaltou que faz campanha para ela. Ao voltar para o encontro, garantiu que a presidenta fará a viagem.

Em campanha 

A campanha ainda não começou, mas Marco Antônio Cabral, filho do ex-governador e pré-candidato a deputado, botou o bloco na rua. Sábado à tarde, em Padre Miguel, um carro de som anunciava que ele dera “apoio cultural” a um baile que se realizaria no Capadócia, em Bangu.

Ouvidoria

Foi bem movimentado o primeiro dia de funcionamento, na Cidade de Deus, da Ouvidoria Itinerante das UPPs. Houve 34 queixas contra policiais — 13 delas registradas pessoalmente. Reclamações também podem ser feitas por telefone, 2234 7599. 

Dia do obreiro

É sério: a deputada estadual Rosangela Gomes, do PRB, partido ligado à Igreja Universal, vai apresentar amanhã proposta que transforma o terceiro domingo de agosto no Dia do Obreiro Universal.

Você pode gostar