Delegado diz que auditor fiscal preso iria fugir do Brasil

Com documentos falsos, ele estava foragido

Por O Dia

Rio - O auditor fiscal da Receita Federal José Cassoni Rodrigues Gonçalves, que estava foragido desde 2011 e foi preso na terça-feira, em Volta Redonda, no Sul do estado, foi transferido ontem para o Presídio Ary Franco, no Rio de Janeiro. Conforme O DIA noticiou nesta quarta-feira, Cassoni recebeu voz de prisão de um agente do Setor de Passaporte da Delegacia da Polícia Federal, portando documentos falsos.

De acordo com a PF, o auditor, acusado de formação de quadrilha, corrupção passiva, ocultação de ativos, evasão de divisas, enriquecimento ilícito e lavagem de dinheiro, que resultaram num rombo de mais de R$ 2 bilhões aos cofres públicos, estava com carteira de identidade com sua foto, mas em nome de Washington Luís Miranda. Também foi apreendida pasta com documentos de fiscalização e cédulas de pequeno valor de dólares das Bahamas e bolívares venezuelanos, além de R$ 1mil.

“Ele (Cassoni) subestimou a capacidade da PF de Volta Redonda em identificar e capturar presos foragidos. Sem dúvida ele pretendia fugir do Brasil”, afirmou o delegado da PF local, Elias Escobar, ressaltando que o acusado foi preso após a coleta de impressões digitais, que não batiam com o RG fraudulento.

Cassoni, que tenta provar inocência com advogados, é apontado como líder de um esquema de fiscalizações na Delegacia de Osasco. Em agosto de 2013, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) negou, por unanimidade, dois habeas-corpus em seu favor. A quadrilha que o auditor supostamente comandava, foi descoberta durante a operação Paraíso Fiscal, desencadeada pela PF, em conjunto com agentes da Receita Federal e Ministério Público Federal. Com patrimônio estimado em R$ 20 milhões, o servidor público passa a responder também por falsidade ideológica (uso de documentos falsos).

Últimas de Rio De Janeiro