Por thiago.antunes

Rio - Não é só dentro dos gramados de futebol que o jogo limpo é essencial. com o intuito de assegurar o direito das pessoas se manifestarem nas ruas pacificamente durante a Copa do Mundo, a Anistia Internacional lançou nesta quinta-feira a campanha ‘Brasil, chega de bola fora!’, para dar um cartão vermelho contra o uso abusivo da força policial durante protestos.

A campanha ‘Brasil%2C chega de bola fora!’ foi lançada nesta quintaDivulgação

A ação pretende rodar por mais de 20 países, recolhendo assinaturas para uma petição que será entregue a presidente Dilma Roussef e ao senador Renan Calheiros em Brasília. O documento vai solicitar garantia do direito à livre manifestação, regulamentação do uso de armas não letais, como gás lacrimogêneo e balas de borracha, e treinamento adequado das forças de segurança.

“A ideia de lançar antes da Copa é para a campanha ter um resultado preventivo e evitar que haja força excessiva por parte da polícia, que já resultou em lesões permanentes em manifestantes, como a perda da visão. Queremos deixar claro que protesto não é crime, é um direito. O governo precisa saber que o mundo inteiro está de olho nisso”, explicou Renata Neder, assessora de Direitos Humanos da entidade.

Ela também alertou para a prisão de pessoas inocentes durante as passeatas. “Pessoas que se manifestam de forma pacífica estão sendo detidas, levadas para delegacias e sofrendo processos formais. Isso mostra uma criminalização dos protestos”, comentou.

Em nota divulgada para a imprensa, a Anistia listou alguns exemplos de profissionais da imprensa e manifestantes que foram vítimas do despreparo das forças de segurança, como o caso de um fotógrafo que perdeu a visão de um olho enquanto cobria um protesto no dia 13 de junho, em São Paulo, e um estudante de 27 anos que teve diversos ossos do corpo quebrados após ser espancado por policias no dia 2 de janeiro deste ano, na mesma cidade. Até a noite de ontem, a petição já contava com quase 3 mil assinaturas no site www.aiyellowcard.org/br, onde qualquer pessoa pode aderir à causa, após fazer um cadastro.

Você pode gostar