Homens armados ameaçam motoristas de ônibus que não aderiram à greve

Grupo intimidou motoristas e passageiros de coletivo na Rua Teodoro da Silva

Por O Dia

Rio - Homens armados estão obrigando motoristas de ônibus que não aderiram à greve e passageiros a descerem dos ônibus. Pelo menos três casos já foram registrados até o início da tarde desta quinta-feira. Por volta das 10h30, um homem armado de bermuda, acompanhado de mais 15 vestidos de trajes sociais, parou um ônibus na Rua Teodoro da Silva, em Vila Isabel.

Viatura na porta de empresa de ônibus em BonsucessoFoto%3A Osvaldo Praddo

Ele quebrou os vidros e o retrovisor do ônibus com a mão, influenciado pelos 15 e, depois, subiu no veículo, sacou a arma e mandou todos descerem. O motorista tentou argumentar para que o deixassem tirar o ônibus na rua, o que foi negado, e ele foi obrigado a seguir com o grupo. O mesmo aconteceu no ponto da Rua Conde de Bonfim com a Rua Uruguai, na Tijuca. Não se sabe se o grupo era o mesmo da Teodoro da Silva.

Nesta madrugada, por volta das 4h40, cerca de oito homens armados com barras de ferro renderam o motorista da linha 232 (Lins -Praça 15), da Viação Mathias, quando o coletivo passava pela Rua Barão do Bom Retiro, por volta das 4h40. Ele foi obrigado a deixar o ônibus. Um dos criminosos assumiu a direção e atravessou o veículo, fechando as duas pistas. Duas proteções que impedem o estacionamento de veículos na calçada, instaladas na porta do prédio número 1.352, foram destruídas. O grupo fugiu em dois carros e duas motos levando a chave da ignição. Cerca de 20 passageiros estavam no ônibus. Ninguém ficou ferido.

No Engenho Novo, em uma ação ousada, cerca de oito homens armados com barras de ferro renderam o motorista da linha 232 (Lins -Praça 15), da Viação Mathias, quando o coletivo passava pela Rua Barão do Bom Retiro, por volta das 4h40. Ele foi obrigado a deixar o ônibus.

Um dos criminosos assumiu a direção e atravessou o veículo, fechando as duas pistas. Duas proteções que impedem o estacionamento de veículos na calçada, instaladas na porta do prédio número 1.352, foram destruídas. O grupo fugiu em dois carros e duas motos levando a chave da ignição. Cerca de 20 passageiros estavam no ônibus. Ninguém ficou ferido.

Greve dos rodoviários complica a vida dos cariocas que tentam chegar ao trabalho nesta quinta-feiraAlessandro Costa / Agência O Dia

"Só vi o grupo com barras de ferro correndo na direção do ônibus na contramão. Achei que fosse apanhar. Com certeza é algo relacionado a greve. Quem assumiu a direção sabe dirigir, é motorista de ônibus. Se fossem bandidos, traficantes, tinham queimado o ônibus e não manobrado e fechado a pista", acredita o motorista José Cláudio Daflon dos Santos, de 34 anos, nove deles na Mathias.

O trânsito teve que ser desviado pelos próprios funcionários da empresa para as ruas Acaré e Abatira. PMs e funcionários da CET-Rio não foram vistos no local. A Rua Barão do Bom Retiro só foi liberada às 6h15.

Desde o fim da manhã, a empresa Alpha, do consórcio Intersul, recolhe os veículos. Segundo um funcionário da companhia, que não quis se identificar, a ordem foi por conta das ameaças de supostos colegas, que abordaram, armados, motoristas que tentavam trabalhar. Muitos coletivos da Alpha foram depredados. No momento, a situação está aparentemente tranquila na porta da empresa, que funciona no Engenho Novo, Zona Norte da cidade.

Últimas de Rio De Janeiro