Por felipe.martins

Rio - Em cinco dias, um pai enterrou dois filhos que teriam sido vítimas de milicianos que atuam em Nova Iguaçu. A Divisão de Homicídios da Baixada investiga os assassinatos e não descarta a hipótese da participação de paramilitares nas ações.

Com medo, o pai das vítimas, o aposentado L., de 53 anos, saiu da casa que construiu em Comendador Soares e está escondido com outros familiares em outra cidade. Ele é viúvo e pai de sete homens e duas mulheres.

A perda mais recente do aposentado ocorreu na última sexta-feira, quando dois homens em uma moto surpreenderam o filho caçula, o barbeiro Antônio Efrahim Felisberto Vieira, de 23, no momento em que ele saía da barbearia da família, em Comendador Soares.

Um dos irmãos da vítima, o músico Maxuel Felisberto Vieira, de 31, contou que estava num estúdio próximo quando ouviu o barulho de quatro tiros.“Corri e ainda vi os dois criminosos em uma Honda Biz vermelha. Quando eles me viram, retornaram e ainda efetuaram dois disparos em minha direção, mas não conseguiram me atingir”, relembrou, reconhecendo a dupla como sendo dois milicianos conhecidos na região como ‘Washington’ e ‘Chorrão’.


No dia 4 de maio, o primeiro crime: Leonardo Alair Felisberto Vieira, de 29, foi morto a tiros por um homem enquanto estava na fila do sorvete dentro do parque de diversões Play Kid, no Centro de Nova Iguaçu.

Você pode gostar