Por felipe.martins

Rio - Lula decidiu vir ao Rio para tentar impedir o crescimento da onda que tem levado vários peemedebistas a apoiar a candidatura de Aécio Neves (PSDB) à Presidência. A vinda do ex-presidente deverá ocorrer ainda nesta semana — ele terá uma reunião com Sérgio Cabral, Pezão e Eduardo Paes.

A missão de Lula não será simples. Oficialmente, Cabral está com Dilma, mas, no sábado, durante o casamento de Jorge Picciani,presidente do PMDB-RJ e líder da dissidência, fez questão de ficar muito tempo com Aécio.

Mágoa de Cabral
O ex-governador se ressente da falta de apoio de Lula no ano passado, durante as manifestações. Na época, o petista chegou a lhe dizer que sua baixa popularidade impediria a retirada da pré-candidatura de Lindbergh Farias (PT) ao governo.

Efeito Miro 1
O PMDB sonha em conquistar o apoio do PSDB à candidatura de Pezão, mas está preocupado com a possibilidade de os tucanos aderirem a Miro Teixeira (Pros).

Efeito Miro 2
Pesquisas do PMDB mostram que Miro tem obtido bons índices na Zona Sul do Rio. Peemedebistas temem que esta adesão possa se espalhar por outras áreas

Noiva triste
Cortejado pelo PMDB e PT, Carlos Lupi, presidente do PDT, não saiu muito feliz de reunião, ontem, com Cabral. O ex-governador disse não poder dar 100% de certeza de que os pedetistas ficarão com a vaga de vice de Pezão.

Almoço protegido
O Santa Fé, restaurante da Glória, foi cercado por policiais ontem. Dividiam uma mesa a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, e o delegado de Homicídios do Rio, Rivaldo Barbosa.

Você pode gostar